Tenente-coronel acusado de desviar armas do Exército responderá em liberdade

Oficial foi denunciado pelo Ministério Público Militar pela posse ilícita de duas de um total de 43 armas apreendidas em seu apartamento

Por O Dia

O coronel Alexandre de Almeida
O coronel Alexandre de Almeida -
Rio - O Superior Tribunal Militar (STM) decidiu, nesta quinta-feira, que o tenente-coronel do Exército Alexandre de Almeida, acusado de desviar armas da corporação para clubes de tiros, vai responder em liberdade. O oficial foi denunciado pelo Ministério Público Militar pela posse ilícita de duas de um total de 43 armas apreendidas em seu apartamento no Leme, na Zona Sul do Rio, no dia 23 de abril.
De acordo com o inquérito policial-militar instaurado pelo Exército, o coronel é investigado por um suposto esquema de desvio de armas do Serviço de Fiscalização. O militar era a mais importante autoridade do setor no controle de armas que circulam no Rio de Janeiro e Espírito Santo. Ainda segundo o inquérito, armas desviadas pelo tenente-coronel Alexandre de Almeida eram repassadas ao Guerreiros Escola de Tiro e Comércio de Armas, na cidade de Serra, no Espírito Santo, por intermédio do irmão do oficial, Rafael Felipe de Almeida.
O caso foi descoberto em dezembro do ano passado, quando uma pistola calibre 9mm, da marcar Taurus, foi entregue por um coronel ao Serviço de Produtos Controlados, assim que este oficial passou à reserva. O oficial descobriu que a pistola tinha sido repassada ilegalmente para o CAC Rafael de Almeida, que a enviou para o clube capixaba.
A defesa do tenente-coronel do Exército Alexandre de Almeida alega que ele não exerce mais a função de chefia nas Forças Armadas e por isso pode responder em liberdade. O advogado Ary Arsolino Brandao, que representa o militar, nega que ele tenha cometido os crimes.
 

Comentários