Crivella entrega 120 crachás do 'Ambulante Legal' a trabalhadores de 14 bairros

O objetivo é organizar e facilitar a identificação dos ambulantes autorizados a trabalhar na cidade

Por O Dia

Programa Ambulante Legal
Programa Ambulante Legal -
Rio - O prefeito Marcelo Crivella entregou, nesta quinta-feira, 120 crachás de identificação do Ambulante Legal, no Palácio da Cidade, em Botafogo, na Zona Sul. Segundo a Prefeitura, os beneficiados trabalham em 14 bairros espalhados pelo Rio. 
"Você é um ambulante legal, você tem um mandato do povo do Rio de Janeiro. Você está na rua, e se vir coisa errada, avise no 1746, e a Prefeitura vai lá para tomar a decisão que tiver que tomar. Demorou para você receber o seu crachá. Faça valer. O seu espaço é o seu espaço. E não dê dinheiro para ninguém", afirmou Crivella.
O documento de identificação dos ambulantes dispõe de QR Code (código de barras bidimensional de resposta rápida). Isso permite melhor fiscalização e acesso fácil da população a informações como nome, número de inscrição e tipos de mercadorias autorizadas para venda por aquele ambulante. É possível também, graças às tecnologia, conferir o local em que é permitido ao ambulante trabalhar, o que ajuda no controle do ordenamento urbano.
"Estamos conseguindo hoje a licença que queríamos há tantos anos para trabalhar legalizado", celebrou o ambulante Antônio Pedro Leite, 52 anos, que trabalha na Feirinha da Pavuna.
O Ambulante Legal foi lançado pelo prefeito Crivella em agosto de 2018 com o objetivo de organizar e facilitar a identificação dos ambulantes autorizados a trabalhar na cidade, propondo, inclusive, a implantação de políticas públicas de qualificação profissional aos trabalhadores.
O programa já alcançou 19 bairros na Cidade do Rio. Além de Cascadura, Irajá, Madureira, Parque Anchieta, Pavuna, Ricardo de Albuquerque, Marechal Hermes, Coelho Neto, Vila da Penha, Vicente de Carvalho, Vista Alegre, Rocha Miranda e Guadalupe, foram contemplados pela política de ordenamento urbano Copacabana, Leme, Méier, Bangu, Campo Grande e Santa Cruz.

Comentários