MP recorre da absolvição de advogado que matou família de Beto Neves

Michel Salim Saud foi considerado inocente pela Justiça. Ele era acusado de matar a mãe, sobrinha e noivo da sobrinha do estilista

Por O Dia

Michel Salim Saud será julgado nesta terça-feira pelas mortes de Linete, Manuella e Rafany
Michel Salim Saud será julgado nesta terça-feira pelas mortes de Linete, Manuella e Rafany -
Rio - O Ministério Público vai recorrer da decisão da Justiça que inocentou o advogado Michel Salim Saud da acusação de homicídio qualificado. Ele era acusado de mandar matar de Linete Loback Neves, de 65 anos, a neta dela Manuella Neves Boueri, de 22, e o noivo da jovem, Rafany Gomes, de 23, em agosto de 2013, em São Gonçalo. A sentença do júri popular foi dada nesta quarta-feira.
Linete e Manuella eram mãe e sobrinha, respectivamente, do estilista da grife Complexo B, Beto Neves. Segundo ele, foi uma surpresa a absolvição. "Esperava uma pena menor, mas não uma absolvição. A acusação foi perfeita, deixou claro que Salim tinha planejado o crime como vingança contra minha irmã. Até mesmo os assassinos presos em 2016 confessaram que mataram a mando dele. Mas a defesa desvirtuou, quis colocá-lo como um bom homem. Não consigo entender a Justiça, o júri", desabafou Beto.
Rafany, Linete e Manuella foram encontrados mortos a tiros na cama de Linete - Reprodução Facebook
"Podia acontecer com a família de qualquer um, esse tipo de relacionamento abusivo com a mulher. Minha luta é para que esse caso pudesse servir de exemplo para outros homens. Mas não acabou, vamos aguardar os recursos", acrescentou o estilista. 
Salim foi casado com Rosilene Neves, irmã de Beto, e padrasto de Manuella. Segundo as investigações, após a separação, a jovem fez vários registros na delegacia contra Salim por agressão verbal e física, o que teria motivado o crime. "Ele queria dar um susto na minha irmã, pará-la. Não sabia perder. Se acha acima do bem e do mal, e que pode eliminar aquilo que incomoda, seja qual for o preço", disse o estilista. 
Em 2016, os assassinos da família, Pablo Jorge Medeiros e Romero Gil da Rocha, foram condenados pela juíza Juliana Grillo El-Jaick, da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo, a 57 anos de prisão, cada um, em regime fechado. Romero morreu em 2018, numa cela no Complexo Penitenciário de Gericinó por conta da diabetes. Michel teria pago R$ 100 mil para os assassinos.
Corpos tinham encontrados em cima da cama

Linete, Manuella e Rafany foram encontrados mortos por Beto na casa da família, no bairro Venda da Cruz, em São Gonçalo, na Região Metropolitana, no dia 27 de agosto de 2013. As vítimas estavam na cama de Linete com marcas de tiros e a casa não tinha sinais de arrombamento.

Linete foi morta com tiros no peito e ao lado da boca, Manuella atingida no queixo, de baixo para cima, e no olho direito, e Rafany foi baleado no supercílio e pescoço.
De acordo com as investigações, Rafany foi morto para eliminar provas, porque estava com Manuella no momento do crime. "Como minha sobrinha não andava sozinha, mataram quem estava junto. Foi tudo quase perfeito, a rua calma, sem câmeras, um horário que não tinha testemunhas e o álibi de que ele estava viajando", contou o estilista.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Michel Salim Saud será julgado nesta terça-feira pelas mortes de Linete, Manuella e Rafany Reprodução
Rafany, Linete e Manuella foram encontrados mortos a tiros na cama de Linete Reprodução Facebook

Comentários