Ex-morador de rua é recebido por governador do Rio

Léo Motta relatou a Wilson Witzel a sua preocupação com internação forçada

Por Waleska Borges

Governador Wilson Witzel recebeu ex-morador de rua Léo Motta
Governador Wilson Witzel recebeu ex-morador de rua Léo Motta -
O ex-morador de rua e ex-dependente químico, Léo Motta, de 38 anos, que transformou sua experiência vivendo nas ruas do Rio no livro “Há vida depois das marquises”, foi recebido nesta terça-feira no Palácio Guanabara pelo governador Wilson Witzel. Ele também participou de uma reunião com Cleiton de Souza Rodrigues, secretário de Governo e Relações Institucionais. A história de superação de Léo Motta foi relatada, no último dia 02, pelo Jornal O Dia. Na ocasião, ele e outros moradores de rua rechaçaram a internação forçada proposta por Witzel.

No encontro, pela manhã, Léo Motta disse que contou a sua trajetória para o secretário e o governador. A solução para a dependência química de Léo veio por uma comunidade terapêutica. Depois de viver seis meses na rua, ele procurou a ajuda de agentes do Centro Presente, que o indicaram para a Associação Solidários Amigos de Betânia, em Jacarepaguá.

"Escutei do próprio governador que ele não pretende "limpar" a cidade jogando as pessoas num canto. O governador disse que "quer cuidar de quem já perdeu o sentido da vida", contou Léo que, depois de 40 minutos reunido com o secretário, conversou por 15 minutos com Witzel.

Léo Motta disse que foi recebido no Palácio Guanabara com hora marcada, café e lanche. Ele estava acompanhado da mulher Cyssa Motta, de 29 anos, grávida de cinco meses. Há tempos atrás, jamais poderia imaginar situação semelhante: "O mais perto do Palácio que cheguei foi sentar em frente a um prédio do outro lado da rua, mas o porteiro me disse que "não era bom eu sentar ali".

O ex-morador de rua disse que está aliviado depois das conversas que teve nesta quarta-feira com o secretário: "A rua foi ouvida. Falei de todos os problemas, da situação dos abrigos, que a internação forçada não funciona e ainda mostrei meu livro para o governador", contou. 
O secretário de Governo e Relações Institucionais disse que se emocionou com a história de Léo Motta: "A história dele mostra que é possível mudar, mas precisa de força de vontade".
 
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários