Após cobrar ajuda de Felipe Neto, projeto Leitura no Vagão é atacado e chega ao fim

Cobrado por não ter ajudado projeto que promove a leitura, youtuber afirmou que não teve conhecimento do pedido: 'Impossível atender a todos'

Por O Dia

Projeto Leitura no Vagão distribuía livros gratuitamente no transporte público
Projeto Leitura no Vagão distribuía livros gratuitamente no transporte público -
Rio - O projeto Leitura no Vagão, que promove a leitura através da distribuição de livros no transporte público, anunciou seu fim nesta terça-feira.
O anúncio foi feito nas redes sociais do projeto, criado há 5 anos por Fernando Tremonti. Segundo o comunicado, ele passou a sofrer constantes ataques após se envolver em uma polêmica com o youtuber Felipe Neto, que distribuiu 14 mil livros com a temática LGBT no último sábado, na Bienal do Livro.

A página do projeto comentou, eu um tweet de Felipe Neto divulgando a ação, que já tentou entrar em contato com ele diversas vezes, mas nunca recebeu resposta. "É só ver uma polêmica... e aí você entra", conclui, desejando também sucesso para a iniciativa do youtuber.
Felipe Neto respondeu, por meio de sua assessoria, que só teve conhecimento do projeto através da repercussão na imprensa. "Nossa equipe recebe literalmente centenas de projetos mensalmente, é impossível dar conta de atender a todos, mas damos o nosso melhor".
Depois disso, segundo o comunicado, o criador do projeto foi alvo de diversos ataques, sendo chamado de "rancoroso", "invejoso", "babaca", "petista" e "bolsominion", entre outras coisas.
Após o anúncio, internautas lamentaram a decisão e elogiaram o projeto. "Agradeço muito pelo belo trabalho de vocês. Espero que esses tempos difíceis passem e vocês continuem a brilhar", comentou uma usuária do Instagram.
Procurado pela reportagem, Fernando preferiu não comentar o episódio.
Sobre os ataques recebidos pelo criador do Leitura no Vagão, muitos deles de seguidores do próprio Felipe Neto, o youtuber respondeu: "Eu luto pelo amor e pela união, continuarei sempre assim. Não tenho controle sobre meus seguidores, mas seguirei reforçando essa mensagem".

Comentários