Governador Wilson Witzel - Nelson Perez / GovRJ
Governador Wilson WitzelNelson Perez / GovRJ
Por O Dia
Rio - Em enquete online realizada pelo jornal O DIA no último domingo, 74% dos leitores disseram aprovar a política de Segurança Pública do governador Wilson Witzel. A desaprovação é de 26%. Para o ex-capitão do Bope e antropólogo Paulo Storani, a aprovação se deve a um esgotamento da população, após promessas de governos passados de políticas a longo prazo para enfrentar a violência que não se concretizaram. "Por isso que o governo Wilson Witzel acabou se elegendo com o discurso do enfrentamento”, diz Paulo Storani.

O antropólogo, no entanto, avalia que não há uma política de segurança estruturada por parte do Governo do Estado. O ex-capitão do Bope diz que a Segurança Pública está restrita às ações policiais e carece de políticas públicas sociais. "Não consigo identificar uma política de Segurança. O que há é uma estratégia de operação das polícias Militar e Civil. Não há metas de redução de indicadores e estratégias para enfrentar as organizações criminosas", acrescenta Storani.
"Se a polícia não atuasse, teríamos um aumento de mortes violentas. Como consequência, a letalidade policial aumentou”, avalia.

Já para o sociólogo da UERJ Ignácio Cano, não se pode relacionar a queda de de homicídios dolosos ao aumento de letalidade dos policiais do Rio. "Os casos de homicídios dolosos já vêm caindo por causa de outros fatores, como um realinhamento dos grupos criminosos. Se em algum momento a criminalidade cair por causa da letalidade, ela voltará a crescer pela reação natural dos grupos criminosos", diz o sociólogo do Laboratório de Violência da UERJ.
Publicidade
Ignácio Cano atribui a aprovação da atual política de segurança do estado a setores mais radicais na Internet. "As pessoas passam a ter um olhar mais crítico quando essas políticas de enfrentamento acabam vitimando pessoas próximas, quando inocentes começam a morrer", avalia.
Os oito primeiros meses deste ano tiveram o menor número de homicídios dolosos registrados desde 2013 no Estado do Rio de Janeiro, segundo dados divulgados na última quarta-feira pelo Instituto de Segurança Pública (ISP). No geral, o crime “letalidade violenta” teve queda de 13% no estado, com 4.074 mortes registradas, ou 625 vítimas a menos em comparação ao ano anterior.
Publicidade
Paralelamente, o número de mortes causadas por policiais chegou ao maior patamar desde 1998, ano de início da série histórica do instituto. Ainda de acordo com o ISP, no compilado do estado, houve queda no registro de crimes como roubo de rua (redução de 3,5%) e de veículo (diminuição de 22%), no acumulado deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado.