Após fim da greve servidores do Degase voltam a se reunir na próxima terça-feira

Sindicato que representa categoria diz que vai recorrer da decisão

Por O Dia

Funcionários estão com os braços cruzados desde terça
Funcionários estão com os braços cruzados desde terça -
Rio - Chegou ao fim, na última sexta-feira, a greve dos servidores do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase), órgão que atende os menores infratores do estado. A greve havia começado na terça-feira (5). A decisão foi tomada após uma assembleia realizada pelo Sind-Degase, sindicato que responde pela categoria. Na próxima terça-feira (12), os servidores voltarão a se reunir logo após a audiência de conciliação, na sede do Tribunal de Justiça (TJRJ).
Em nota, o Sind-Degase informou que foi notificado na sexta-feira, através de seu presidente, da decisão judicial que determinou a paralisação do movimento grevista. "Em assembleia extraordinária realizada na tarde desta sexta-feira (8/11), foi determinada a suspensão temporária da greve, e agendado um ato, às 14h, da próxima terça (12/11), após a audiência de conciliação na sede do Tribunal de Justiça", dizia um trecho da nota, que segue:

"Em resposta à decisão judicial do presidente do Tribunal de Justiça, proferida na última quinta-feira (07), na qual determinou nova diligência de intimação dos representantes do sindicato, sob pena de prisão preventiva, com base no arts. 324, IV e 312 do Código Penal, o sindicato afirma que repudia veementemente tal ameaça infundada".

Em outro ponto do documento, o sindicato afirma "que irá recorrer da decisão impugnando todos os argumentos inverídicos apresentados pelo Estado do Rio de Janeiro, uma vez que o movimento grevista é legítimo e cumpriu todos os requisitos legais previstos na lei".
Entre as reivindicações da categoria estão a progressão funcional garantida por lei e a realização de novos concursos públicos para preencher as vagas em aberto.
Rebeliões em duas unidades
Ainda na sexta, menores infratores se rebelaram em duas unidades do Rio. Em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, a rebelião começou por volta de 21h. Agentes conseguiram controlar os internos rapidamente. Cerca de uma hora depois, a rebelião aconteceu na unidade João Luiz Alves, na Ilha do Governador, Zona Norte da cidade. O resultado foram celas quebradas e colchões incendiados. Bombeiros e Polícias do Choque foram acionados. De acordo com o Degase, em nenhuma das situações houve fuga ou feridos.

Comentários