Justiça concede liminar para que dois deputados da Furna da Onça retomem mandatos

Decisão da 22ª Câmara Cível beneficia Marcos Abrahão (Avante) e Chiquinho da Mangueira (PSC)

Por Maria Luisa de Melo

Chiquinho da Mangueira (de branco) usou a mãe para receber propina
Chiquinho da Mangueira (de branco) usou a mãe para receber propina -
Dois dos cinco deputados envolvidos na Operação Furna da Onça (um desdobramento da Operação Lava Jato), que tiveram suas posses suspensas por decisão judicial, após pedido do Ministério Público, conseguiram, ontem à noite, uma liminar permitindo que seus mandatos sejam retomados na Assembleia Legislativa.
Os beneficiados são Marcos Abrahão (Avante) e Chiquinho da Mangueira (PSC), atualmente soltos. Na decisão, o juiz Rogério de Oliveira Souza, da 22ª Câmara Cível, ressalta que há prejuízo no afastamento dos parlamentares eleitos.
"O prejuízo para os impetrantes e, por definição política, de seus eleitores, é evidente, pois jamais poderão recuperar, politicamente, as sessões das quais não participaram, seja em plenárias, seja em comissões ou demais eventos típicos da atividade parlamentar", diz trecho da decisão. As defesas de ambos foram procuradas, mas não retornaram.
Alerj concedeu posse aos acusados de corrupção
Em outubro do ano passado, por 39 votos a 25, o plenário da Alerj decidiu soltar os cinco deputados presos na Operação Furna da Onça. Eles foram presos em novembro de 2018 e cumpriam detenção em regime fechado. Só Chiquinho da Mangueira estava em prisão domiciliar.
Na ocasião, um acordo entre os deputados firmou que o grupo seria libertado, mas não poderia retomar seus mandatos, manter gabinete ou receber salário. Assim, todos tiveram suas cadeiras ocupadas por suplentes.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários