Justiça quebra sigilo fiscal e bancário de assassinos de Marielle Franco

A decisão também determinou o sequestro dos bens do policial reformado Ronnie Lessa, avaliados em cerca de R$ 2 milhões

Por O Dia

O PM reformado Ronnie Lessa e ex-PM Élcio Queiroz estão presos pelos assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes
O PM reformado Ronnie Lessa e ex-PM Élcio Queiroz estão presos pelos assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes -
Rio - A Justiça do Rio determinou, na noite desta terça-feira, a quebra do sigilo fiscal e bancário do policial militar reformado Ronnie Lessa e do ex-PM Élcio Vieira de Queiroz, presos pelos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. A decisão também determinou o sequestro dos bens de Lessa, avaliados em cerca de R$ 2 milhões. 
As autorizações judiciais se baseiam em um pedido da Polícia Civil, através do Departamento Geral de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (DGCOR), além do Ministério Público do Rio (MPRJ).

A mulher de Ronnie Lessa e o irmão dela, presos durante a Operação Submersos, também tiveram o afastamento do sigilo autorizado pela Justiça. As quebras dos sigilos tem como objetivo a apuração do crime de lavagem de dinheiro praticado pelos presos.

Entre os bens sequestrados estão uma lancha, avaliada em cerca de R$ 400 mil, que pertencia a Ronnie Lessa e foi encontrada por policiais civis em um condomínio em Angra dos Reis, e um imóvel em um condomínio de luxo na Barra da Tijuca, avaliado em R$ 1,2 milhão, também pertencente a ele. As investigações prosseguem para analisar o material apreendido e as quebras dos sigilos.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários