Menina foi baleada, no dia 20 de setembro, no Complexo do Alemão - Arquivo pessoal
Menina foi baleada, no dia 20 de setembro, no Complexo do AlemãoArquivo pessoal
Por O Dia
Rio - A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou, nesta quinta-feira, em primeira discussão, o projeto de lei de número 1622/2019, que pede prioridade na tramitação de procedimentos investigatórios relativos a crimes que resultam em morte de crianças e adolescentes no estado.
O PL Agatha, como vem sendo chamado, é de autoria da deputada Renata Souza (PSOL), presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Alerj, e retornará à casa para uma segunda votação.
Publicidade
Vanessa Sales Félix, mãe da menina Agatha, de 8 anos, morta no Complexo do Alemão, no ano passado, acompanhou a votação no plenário da Alerj: "Acho um absurdo e ao mesmo tempo vergonhoso, em um Brasil tão rico, precisar de uma lei para que outras crianças não morram. Essa lei dará visibilidade para outros casos. As leis são feitas para serem respeitadas, espero que isso (mortes de crianças) não aconteça", disse Vanessa.
"Priorizar a investigação em casos de crianças e adolescentes, deveria ser um padrão para os entes investigativos. É importante ressaltar que não existe bala perdida, essa bala para em algum corpo. Infelizmente esse corpo é, muitas vezes, jovem, negro, da favela e da periferia. O Estado precisa dar respostas a estas famílias priorizando as investigações sobre a morte destes jovens, respondendo de onde saiu a bala que matou seus filhos, mas também garantindo a estas famílias um retorno considerável no que tange a verdade sobre o que aconteceu com suas crianças", declarou a deputada Renata Souza.