O aplicativo facilitará os contatos virtuais com a Defensoria  - Divulgação / Defensoria Pública
O aplicativo facilitará os contatos virtuais com a Defensoria Divulgação / Defensoria Pública
Por O Dia
Rio - A Defensoria Pública do Rio de Janeiro (DPRJ) divulgou uma resolução com as medidas com intuito de evitar a disseminação do coronavírus em suas instalações. Segundo o documento, foi estabelecido o trabalho remoto para pessoas que fazem parte de grupo de risco, eventos em suas unidades foram cancelados e suspensão de atendimento presencial aos usuários, exceto para casos específicos e urgentes. As medidas têm duração de 30 dias e começam a valer a partir desta sexta-feira.

Pessoas que fazem parte do grupo de risco são defensores, servidores, estagiários e residentes jurídicos que têm mais de 60 anos, doença cardíaca ou pulmonar; que realizem tratamento com medicamentos imunodepressores ou quimioterápicos; é diabético ou transplantado. Será aplicado regime especial, relacionado ao trabalho presencial e remoto, para os demais defensores, servidores, estagiários e residentes jurídicos.

Ainda de acordo com a Defensoria, o atendimento presencial aos usuários também estará suspenso, exceto nos casos de urgência ou citações e intimações com prazo processual em curso. Também foram cancelados todos os eventos nas sedes da instituição e o atendimento nos presídios e unidades socioeducativas.

Os funcionários que voltaram do exterior também trabalharão de forma remota, pelo período de 14 dias. Caso não apresentem sintomas da doença e não integrem o grupo de risco, serão incluídos no regime especial de trabalho.

As ações foram decididas em em reunião na tarde desta quinta, no Palácio Guanabara, com representantes dos Poderes do Estado para debater medidas para conter o avanço da coronavírus no Rio.

A DPRJ afirmou que está em contato permanente com as autoridades sanitárias para adotar as medidas necessárias para reduzir o contágio