'Não temos condições de acolher pacientes com dificuldade respiratória', diz Witzel sobre coronavírus

'Eu quero pedir à população pelo amor de Deus e amor que têm aos pais e avós: o momento é de união, de todos estarmos conscientes. Este vírus se propaga rapidamente em aglomerações', intercedeu o governador do Rio

Por O Dia

Governador Wilson Witzel
Governador Wilson Witzel -
Rio - O governador do Rio, Wilson Witzel, disse que o Estado do Rio não tem capacidade para acolher pacientes com dificuldades respiratórias graves em decorrência da Covid-19. Em entrevista ao RJ TV, da TV Globo, ele fez um apelo à população para que não saia de casa. "Eu quero pedir à população pelo amor de Deus e amor que têm aos pais e avós: o momento é de união, de todos estarmos conscientes. Este vírus se propaga rapidamente em aglomerações", apelou.
O governador explicou que o novo coronavírus vai se propagar de uma forma ou de outra, mas a velocidade vai depender da população deixar de se aglomerar. Os pacientes precisarão usar respiradores. Os novos leitos não estão preparados. Witzel informou que 300 novos leitos vão ficar prontos em 30 dias. 
"Não temos praticamente capacidade hoje de acolher pacientes com dificuldades respiratórias. Estamos tomando medidas para abrir 300 leitos em um mês. Se a população for pra praia, mais de 20 mil pessoas vão ficar infectadas: mais de 500 doentes com dificuldades respiratórias", alertou. O governador Wilson Witzel explicou que o governo prepara dois hospitais para receber pacientes com coronavírus e que a secretaria de infraestrutura prepara um projeto emergencial.
Além de abrir 300 leitos em 30 dias, em 70 dias os leitos novos chegarão a 600. Por isso, é importante que a população fique em casa. A Itália e a Espanha não tomaram essas medidas por questões econômicas, e infelizmente a doença se propagou rapidamente. A Itália escolheu entre a vida e a morte. Pelo amor de Deus, não vamos fazer isso em nosso estado", reforçou
Witzel disse que neste momento não pensa em interditar a praia, restaurantes, bares e academia. Ele disse que conta com a consciência dos empresários. "Estou conversando com empresários para façam turnos nos empregos. É importante reduzir aglomeração em bares e restaurantes. Priorizar entregas. Será um momento muito difícil", ressaltou. "A situação é grave e pode ficar gravíssima", reforçou.
Não vamos ter que usar de força, acredito que nosso povo vai ter a consciência do nosso povo de que eles vao ser vetores dos vírus pra pessoas que sejam mais vulneráveis. Neste momento serão arma que vão levar pra dentro de casa o vírus de forma mais rápida.
"Eu tenho certeza que a população vai entender. É o momento da união e de o Rio de Janeiro dar o exemplo. O momento é de ficar em casa", disse.
O Estado do Rio registrou o primeiro caso de um paciente que apresenta o estado de saúde muito grave por causa da contaminação por coronavírus. Segundo a Secretaria estadual de Saúde, o homem, que tem 65 anos, está internado.

Até agora, 25 pessoas foram infectadas pela doença no Rio. Em todo o Brasil, foram confirmados 200 casos.
Segundo o governo do estado, é preciso tomar medidas preventivas para que o número de pessoas contaminadas seja menor. Sem as medidas de prevenção, é provável que uma pessoa infectada contamine outras três. Já com as medidas de prevenção, o governo espera que uma pessoa infectada contamine apenas mais uma pessoa.

A Secretaria Estadual de Defesa Civil informou que o Estado do Rio pode ter até 24 mil casos de coronavírus até o dia 4 de abril se as medidas preventivas para evitar o contágio não sejam adotadas pela população. Se todos adotarem esses cuidados, o número de casos previstos caem para três mil.

Comentários