Apesar de bloqueios da prefeitura, cariocas continuam desrespeitando distanciamento social

Comércio não essencial, agências bancárias e lotéricas ainda fazem população sair do isolamento

Por Rachel Siston*

R. Cons. Galvão, em Madureira: engarrafamento e aglomeração
R. Cons. Galvão, em Madureira: engarrafamento e aglomeração -

As medidas de restrição de circulação da Prefeitura do Rio, que bloqueou a passagem de pedestres e carros em vários bairros, não impediu que as pessoas fossem às ruas, ontem. Em Madureira, o bloqueio, exceto de moradores e funcionários de serviços de entrega, aconteceu na Av. Edgar Romero. Mas reportagem de O DIA flagrou engarrafamento e aglomeração na Rua Conselheiro Galvão, um dos acessos ao Mercadão de Madureira, que funcionava apenas com uma porta aberta. Além do Mercadão, somente o comércio essencial estava aberto. Os ônibus do BRT passavam pela estação do bairro lotados.

Também na Zona Norte, no Lago do Verdun, no Grajaú, o comércio não essencial estava fechado, e lanchonetes e padarias funcionavam em sistema delivery. Mas nas lotéricas ainda havia filas. Com o bloqueio na Rua Felipe Cardoso, em Santa Cruz, na Zona Oeste, e os comércios não essenciais fechados, pontos de aglomeração aconteceram próximos aos bancos. Para o motorista de aplicativo André Couto, a medida deveria ter sido adotada no início da pandemia.

"Estou há dois meses sem trabalhar e não sei por quanto tempo isso vai se estender. Se essa medida tivesse sido tomada antes, já estaríamos fora da curva de contaminação. Já era para ter esse bloqueio no início da pandemia", desabafou.

Já o aposentado Cláudio Frásio, 52, acredita que se a população fizesse sua parte, a prefeitura não faria bloqueios. "As pessoas precisam entender que a gente só deve sair para o essencial". Durante a tarde, foi a vez de Cascadura receber o bloqueio. A partir de hoje, haverá restrições em: Freguesia, Taquara, Realengo, Méier, Pavuna, Tijuca e Guaratiba.

 

Multas e lacres nas comunidades

Nas comunidades cariocas, somente os estabelecimentos comerciais essenciais poderão funcionar e, caso os comerciantes descumpram a determinação, podem ser multados e terem as lojas lacradas. Nos próximos dias, a Seop e a Polícia Militar vão realizar fiscalização nas favelas que contam com Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs).

Ontem, na Rocinha, Zona Sul, somente as lojas de serviços essenciais estavam funcionando. Mas nas comunidades de Rio das Pedras e da Muzema, além dos serviços essenciais, algumas lojas de roupa e eletrônicos funcionavam com as portas semiabertas.

Carros são rebocados na Zona Sul

Ontem, a Seop removeu 18 veículos que estavam estacionados na orla do Leme ao Pontal e que descumpriam o decreto de restrição da prefeitura. A fiscalização ocorrerá 24 horas por dia e contará com dez reboques.

A exceção é para moradores e usuários de vagas especiais, que precisam deixar à mostra, no painel do veículo, o Cartão Morador do sistema Rio Rotativo ou comprovante de residência. Os usuários de vagas especiais precisam apresentar o cartão obrigatório de beneficiário.

Os depósitos municipais, em São Cristóvão e no Recreio dos Bandeirantes, funcionam de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h. Caso o veículo seja rebocado na sexta-feira e não puder se retirado no mesmo dia, não será cobrada diária referente ao fim de semana.

* Estagiária sob supervisão de Gustavo Ribeiro 

Comentários