Reajuste das tarifas dos táxis é suspensa pela prefeitura

Aumento havia sido concedido em dezembro de 2019

Por O Dia

Rio de Janeiro - RJ  - 04/04/2020 - COVID 19 - Coronavirus na cidade do Rio - Prefeitura entrega cestas basicas para taxistas, no Rio Centro, zona oeste da cidade - na foto, Sr. Antonio, tel. 964895870 - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 04/04/2020 - COVID 19 - Coronavirus na cidade do Rio - Prefeitura entrega cestas basicas para taxistas, no Rio Centro, zona oeste da cidade - na foto, Sr. Antonio, tel. 964895870 - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia -
Rio - A Prefeitura do Rio determinou a suspensão do último reajuste das tarifas do táxi, concedido em dezembro de 2019. Segundo a Secretaria Municipal de Transportes (SMTR), o objetivo é evitar que os taxistas tenham gastos com a atualização do taxímetro, gerando uma economia de R$ 200 a R$ 250 para cada motorista. A nova medida foi publicada no Diário Oficial desta sexta-feira.
A suspensão, segundo a Prefeitura,  considera a redução brusca nas viagens e com isso, a perda financeira enfrentada pelos taxistas. Os valores reajustados estavam em vigor desde o fim do ano passado, a partir da tabela afixada no vidro lateral esquerdo traseiro dos veículos, que, a partir desta sexta, deve ser retirada. Com essa medida, os motoristas da classe não vão precisar desembolsar a taxa para atualizar o taxímetro.
Nos táxis convencionais, a bandeirada volta a ser R$ 5,80; o quilômetro rodado na bandeira 1 voltará a ser R 2,60, e na bandeira 2, R$ 3,12. Em relação à hora parada ou espera, o valor retorna para R$ 32,76; e a tarifa de volume transportado fica em R$ 2,60. No caso dos táxis executivos, o valor da bandeirada permanece R$ 7,30 (não foi reajustado); e a tarifa por quilômetro rodado volta a ser R$ 4,55. O valor da hora parada ou de espera retorna para R$ 57,33, e a tarifa de volume transportado volta a custar R$ 2,60.
Outras medidas em benefício dos taxistas foram anunciadas durante a crise do coronavírus, entre elas: aumento do prazo para o pagamento de taxas devidas pelos permissionários; suspensão de vistorias enquanto perdurar o estado de calamidade na cidade, inclusive para encerramento das permutas, transferências, inclusão de veículos e novas autonomias; o aumento do prazo de 180 para 540 dias para os auxiliares darem entrada no processo de obtenção de autonomia, e de 360 para 720 dias o prazo para apresentarem o veículo; e o aumento da vida útil dos táxis convencionais de 8 para 10 anos e dos táxis executivos de 7 para 9 anos. Esta última medida vai beneficiar mais de mil taxistas que já teriam que trocar de veículo, neste ano, por vida útil vencida.
 

Comentários