Professores ameaçam entrar em greve

Sindicato critica proposta de retomada das aulas a paritr de 1º de junho. Parlamentares também são contra a medida

Por Gabriel Sobreira

O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe) não descarta a possibilidade de a classe entrar em greve caso a Prefeitura do Rio e o governo do estado decidam retomar as aulas, a partir de 1º de junho, como sugere uma proposta das entidades empresariais. As administrações municipal e estadual, contudo, descartam qualquer intenção de adotar tal medida em relação às unidades públicas e privadas de ensino.

Segundo Gustavo Miranda, coordenador do Sepe, a pressão dos empresários é forte: "Não podemos colocar em risco a vida das pessoas para garantir o lucro de alguns. Vamos tentar de todas as formas e meios impedir que as escolas abram. Se não for possível, a gente não descarta a possibilidade de entrar em greve".

O deputado estadual Waldeck Carneiro (PT), presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia da Alerj, diz que a retomada das aulas é uma proposta temerária. "Evidentemente que, se alguma rede pública propuser algo nesse tipo, compreendo perfeitamente que os profissionais de Educação possam reagir de forma firme e determinada", destacou.

Para o vereador Célio Lupparelli (DEM), não há qualquer indicador científico que justifique medidas de relaxamento do isolamento social. "A preservação da vida deve ser a nossa prioridade. Não há leitos, médicos, enfermeiros nem insumos para suportar um aumento de casos de covid-19. Prefiro não acreditar que sejam tão insensíveis", afirmou o vereador.

Já o vereador Tarcísio Motta (PSOL), vice-presidente da Comissão Permanente da Educação da Câmara Municipal do Rio, reagiu com indignação à qualquer possibilidade de retomada das atividades.

"É um absurdo essa proposta que as associações fizeram. E absurdo ainda maior se a prefeitura cogitar aceitar. Reabrir escolas é causar a morte das pessoas", frisou. "Fazer retomar as atividades antes do tempo, reabrir escolas, comércio, vai aumentar a crise econômica e o tempo em que as atividades demoram a ter a retomada", acrescentou Motta.

 

Prefeitura descarta retorno

A Prefeitura do Rio negou qualquer plano de retorno das aulas e esclareceu que o prefeito Marcelo Crivella recebe sugestões de diferentes segmentos, o que não significa que irá adotar todas.

"O prefeito desautoriza quaisquer informações de propostas supostamente a ele encaminhadas e que não sejam as anunciadas oficialmente, após estudos e análise do comitê científico, visto que ele e o comitê levam em conta a preocupação com a saúde das pessoas e todos os passos são medidos nesse sentido", informou, em nota.

Segundo o Pacto Social para Retomada da Atividade Econômica do governo do estado, as aulas e todos os setores, respeitados os protocolos de higiene e a reorganização dos espaços de trabalho, retornarão quando atingir a fase Bandeira Verde, com taxa de ocupação dos leitos de UTI inferior a 70%.

Comentários