Witzel diz que orientou próprio partido a votar pela abertura de processo de impeachment

Governador do Rio disse estar 'tranquilo' após abertura de seu processo de impeachment, por 69 votos a 0

Por O Dia

Wilson Witzel
Wilson Witzel -
Rio - Após uma votação unânime (69 a 0) pela abertura de seu processo de impeachment nesta quarta-feira, governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC-RJ), afirmou que orientou os parlamentares do próprio partido a votar contra ele. 
"Eu orientei o meu partido a votar sim, porque os fatos descritos pelos deputados da oposição, em tese, podem caracterizar crime de responsabilidade", alegou o governador, em entrevista ao programa RJ TV desta quinta-feira.
Witzel disse estar "tranquilo" quanto as acusações sobre irregularidades na compra de respiradores da Secretaria Estadual de Saúde (SES). "Nós não temos nada a esconder. Nosso partido é transparente e não tem medo da verdade", garantiu.
Após a abertura do processo de impeachment, será criada uma Comissão Especial que irá analisar a denúncia contra o governador. 
A partir de segunda-feira, André Ceciliano vai estabelecer no Diário Oficial um prazo de 48 horas para que os partidos indiquem representantes para a comissão na Alerj. O governador será notificado a apresentar a defesa em até dez sessões. Witzel continua no cargo pelo menos até o fim desses trâmites.
Caso os deputados decidam pelo recebimento da denúncia, por maioria absoluta (mais de dois terços do plenário), o governador Wilson Witzel será afastado e será enviada a cópia do processo ao presidente do Tribunal de Justiça para a formação do tribunal misto de julgamento.

Comentários