Justiça requer informações sobre 12 anos de viagens de Flávio Bolsonaro

Empresa Decolar.com deverá entregar ao Ministério Público do Rio de Janeiro os dados disponíveis sobre as viagens realizadas pelo senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) e da esposa, Fernanda Antunes Figueira Bolsonaro

Por IG - Último Segundo

Senador Flávio Bolsonaro
Senador Flávio Bolsonaro -
Rio - A Justiça do Rio de Janeiro determinou que a empresa Decolar.com entregue ao Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) os dados disponíveis sobre as viagens realizadas pelo senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) e da esposa, Fernanda Antunes Figueira Bolsonaro. O período solicitado é entre o dia 1º de janeiro de 2007 e 17 de dezembro de 2018, correspondente aos mandatos que o parlamentar teve como deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

O juiz Flávio Itabaiana Oliveira Nicolau, da 27ª Vara Criminal do Rio, assinou a decisão que corresponde às investigações sobre um suposto esquema de rachadinha de salários dos funcionários do gabinete de Flávio Bolsonaro, da época em que ele atuava na Alerj e tinha Fabrício Queiroz como assessor.

As informações devem conter dados das transações comerciais com o senador e a esposa, como datas, origens e destinos das viagens. Além disso, produtos contratados, que incluem pacotes turísticos, hotéis e transporte devem ser detalhados, assim como os nomes dos passageiros indicados nos bilhetes, valores pagos e formas de pagamento.

A Decolar.com chegou a recorrer duas vezes ao Tribunal de Justiça do estado do Rio) e alegou que o fornecimento dos dados viola o direito à intimidade dos investigados. No entanto, a empresa de turismo não obteve ganho de causa. Segundo o UOL, a empresa disse que "atendeu à decisão judicial" e forneceu as informações solicitadas.

Comentários