Para Chris Tonietto , a PEC deveria manter o Fundeb provisório, e não permanente - Divulgação/ Câmara dos Deputados
Para Chris Tonietto , a PEC deveria manter o Fundeb provisório, e não permanenteDivulgação/ Câmara dos Deputados
Por O Dia
Rio - O Ministério Público Federal (MPF), por meio dos procuradores da República Sérgio Suiama, Ana Padilha e Renato Machado, expediu recomendação à deputada federal Chris Tonietto (PSL/RJ). O objetivo do documento é apurar uma possível irregularidade praticada por ela em uma postagem em sua rede social. Na ocasião, Christiane teria relacionado a pedofilia ao movimento LGBT+ e à ideologia de gênero.
O MPF considerou que a Constituição Federal de 1988 prevê a construção de uma sociedade livre, justa, solidária e sem preconceitos. Além disso, reflete que a expressão "ideologia de gênero" foi utilizada de forma vaga, imprecisa e descontextualizada.

De acordo com o MPF, foi considerado também que, conforme estudos, na maioria dos casos de violência sexual infanto-juvenil notificados no Brasil, o agressor é um familiar ou pessoa integrante do ambiente doméstico. Ainda segundo o órgão, na publicação Chris induz falsamente a opinião pública a acreditar que todo o grupo de pessoas LGBT+ seria propenso a cometer os graves crimes que giram em torno da pedofilia, gerando preconceitos e reforçando estigmas.

O MPF resolveu notificar a deputada federal para que ela preste explicações e apresente os estudos científicos em que se baseou para disseminar as conclusões de sua postagem, explicado ainda de forma clara qual autor relaciona o ensino de gênero nas escolas à pedofilia.

Caso Christiane não consiga comprovar seu relato, recomendou-se que ela se retrate da informação falsa divulgada em seu Facebook com o mesmo destaque da postagem anterior. Foi estabelecido o prazo de 30 dias para que a destinatária apresente as informações e esclareça as providências adotadas em relação ao seu cumprimento.
Publicidade
Em nota, a deputada disse que "o combate à ideologia de gênero é uma de minhas bandeiras, na qualidade de Deputada Federal, razão pela qual, em postagem veiculada em rede social, tratei, de maneira não generalista, da relação de determinados expoentes do Movimento LGBT à defesa da prática de relações sexuais com menores e crianças".

"Nesse sentido, restou solicitado pelo Ministério Público Federal que eu apresente esclarecimentos no âmbito da representação intentada pelo órgão, o que será objeto de resposta oportuna", finalizou a parlamentar.