Cerca de 110 Policiais Federais cumprem 25 mandados de buscas e apreensão: 6 em São Paulo, 3 em Teresopolis e 16 no Rio de Janeiro - Reginaldo Pimenta/ Agência O DIA
Cerca de 110 Policiais Federais cumprem 25 mandados de buscas e apreensão: 6 em São Paulo, 3 em Teresopolis e 16 no Rio de JaneiroReginaldo Pimenta/ Agência O DIA
Por O Dia
Publicado 10/09/2020 08:56 | Atualizado 10/09/2020 09:34
Curitiba – A Polícia Federal, em conjunto com o Ministério Público Federal, deflagrou, na manhã desta quinta-feira, a 74ª Fase da Operação Lava Jato, denominada Sovrapprezzo, desdobramento da 61ª Fase, chamada de Disfarces de Mamon. A operação aprofunda as investigações de um esquema de prováveis fraudes em operações de câmbio comercial contratadas pela Petrobras com o Banco Paulista. As transações de compra e venda de dólares, realizadas entre 2008 e 2011, chegaram a R$ 7,7 bilhões, sendo que foram operacionalizadas por apenas três funcionários da gerência de câmbio.

Galeria de Fotos

PF deflagra 74ª etapa da Lava Jato, denominada Sovrapprezzo, que investiga esquema de prováveis fraudes em operações de câmbio contratadas pela Petrobras Reginaldo Pimenta/ Agência O DIA
Cerca de 110 Policiais Federais cumprem 25 mandados de buscas e apreensão: 6 em São Paulo, 3 em Teresopolis e 16 no Rio de Janeiro Reginaldo Pimenta/ Agência O DIA
Cerca de 110 Policiais Federais cumprem 25 mandados de buscas e apreensão: 6 em São Paulo, 3 em Teresopolis e 16 no Rio de Janeiro Reginaldo Pimenta/ Agência O DIA
Publicidade
Segundo o Ministério Público Federal, foram encontradas "diversas evidências" de direcionamento indevido de contratos e de majoração artificial das taxas de câmbio, que apontam para um dano aos cofres da Petrobras estimado preliminarmente em US$ 18 milhões - o equivalente a quase R$ 100 milhões, no câmbio corrente.
Cerca de 110 Policiais Federais cumprem 25 mandados de buscas e apreensão (6 em São Paulo, SP, 3 em Teresopolis, RJ, e 16 no Rio de Janeiro,RJ). Entre os alvos das buscas está a sede da Petrobras na capital fluminense. As ordens foram expedidas pelo do juiz Luiz Antônio Bonat, da 13ª Vara de Curitiba, que ainda determinou o bloqueio de ativos financeiros dos investigados em contas no Brasil e no exterior, até o limite de R$ 97 milhões.
Publicidade
Não há cumprimento de mandados de prisão.
Segundo o Ministério Público Federal, entre os alvos dos mandados de busca e apreensão estão 3 executivos do Banco Paulista em São Paulo, outras 5 pessoas ligadas às empresas utilizadas no esquema no Rio de Janeiro, 3 funcionários que trabalharam à época na gerência de câmbio da Petrobras, além de 4 familiares desses últimos - sob os quais recaem suspeitas de participação na lavagem do dinheiro, por meio de empréstimos e doações ideologicamente falsos.

A ofensiva é um desdobramento da 61ª etapa da Lava Jato, a "Disfarces de Mamon" e apura crimes de corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e associação ou organização criminosa.
Publicidade
O esquema consistiria em sobretaxar as operações acima dos valores de mercado para inflar o spread (lucro) do banco, mediante possível pagamento de propina para operadores da empresa pública a ser dividida com empregados da instituição financeira, paga em troca do direcionamento dos negócios cambiais para o referido banco. Estima-se que o prejuízo para os cofres públicos pode chegar a mais de 18 milhões de dólares.
As investigações visam ainda a comprovar a prática de lavagem de dinheiro porventura praticadas pelos investigados, seja através de movimentação de valores no Brasil e no exterior, mediante o uso de off shores, subfaturamento na aquisição de imóveis e negócios, interposição de pessoas em movimentações de capitais, utilização de contratos fictícios de prestação de serviços firmados entre o banco e empresas dos colaboradores envolvidos, assim como o grau do vínculo associativo mantido por todos.
Publicidade
O nome da operação faz referência a palavra sobrepreço em língua italiana. As penas relativas aos crimes investigados podem chegar a soma total de 33 a 38 anos de reclusão.