Governo do Estado do Rio cede imóvel para abrigar a Casa Nem - Reprodução vídeo
Governo do Estado do Rio cede imóvel para abrigar a Casa NemReprodução vídeo
Por O Dia
Publicado 10/09/2020 18:49 | Atualizado 10/09/2020 19:00
Rio - A Secretaria Desenvolvimento Social e Direitos Humanos e das Cidades vai ceder, nesta sexta-feira, um imóvel no Flamengo, na Zona Sul do Rio, para a Casa Nem. A nova sede da organização - que abriga pessoas LGBTI em situação de vulnerabilidade - conta com seis quartos, dois banheiros, sala e cozinha. A cessão terá duração de cinco anos, podendo ser prorrogada por igual período.

Atualmente, a Casa Nem atende 26 pessoas, em sua maioria transexuais e travestis, e desenvolve programas sociais que alcançam direta e indiretamente mais de 100 pessoas. Os moradores estavam alojados em um casarão em Copacabana e buscavam novo lugar com condições favoráveis de habitação.
"Os moradores da Casa Nem precisam de acolhimento e segurança. Sabendo da urgência do assunto, o Governo do Estado, em tempo recorde, organizou a burocracia necessária para permitir a cessão de um dos nossos imóveis para atender esta demanda. Vamos levar um pouco de tranquilidade para pessoas que realmente precisam e esperamos estar contribuindo para uma sociedade mais igualitária", explicou Juarez Fialho, secretário de Estado das Cidades.

A secretária de Estado de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, Cristiane Lamarão, ressaltou a importância do novo abrigo para a população LGBTI.

"A comunidade LGBTI é a que mais sofre com o abandono dos familiares e a invisibilidade da sociedade. Entregar esse novo espaço de acolhimento é apoiar e dar continuidade a uma causa nobre", afirmou Lamarão.

De acordo com Thiago Miranda, subsecretário de Direitos Humanos e Coordenador do Programa Rio Sem LGBTIfobia, o Governo do Estado não poderia ficar inerte perante a situação da Casa Nem.
Publicidade
"Enquanto poder público estadual, não poderíamos nos omitir não prestando assistência à população LGBTI da Casa Nem. Abrigamento não é nossa responsabilidade, mas abraçamos a causa", disse o subsecretário.