Por O Dia
Na estreia da série de lives ‘Diz aí, Clarissa!’, na noite desta quinta-feira (15/10), a candidata do PROS à Prefeitura do Rio, Clarissa Garotinho, respondeu a perguntas de cariocas que trabalham ou frequentam o Calçadão de Campo Grande. A conversa girou em torno dos temas saúde, educação, transporte público e propostas para os jovens. Clarissa anunciou que pretende criar o Instituto Carioca de Juventude, inspirado em uma iniciativa portuguesa de incentivo às políticas públicas voltadas para a população mais jovem. Diagnosticada com Covid-19, a candidata está fazendo, esta semana, apenas agendas virtuais.

“Vamos instalar o Núcleo de Arte Urbana, o Nau, na Avenida Brasil, para trabalharmos com todas as vertentes da cultura urbana. Já existe um projeto pronto na prefeitura, é só tirar do papel. Teremos um grande programa de voluntariado, em parceria com a Defesa Civil Municipal, para que os jovens participem de grandes ações, como a limpeza das praias e o reflorestamento das áreas verdes da cidade”, afirmou a candidata.

A candidata do PROS lembrou que a falta de oportunidades, seja na educação, seja no mercado de trabalho, acaba levando os jovens a uma situação de risco. Por isso, Clarissa também pretende implantar o projeto ‘Investe Jovem’, oferecendo crédito a juros baixos para rapazes e moças que queiram empreender. “Muitos jovens querem ter um negócio próprio, mas não encontram um investidor. Precisamos fazer uma parceria com as agências de fomento, oferecer microcrédito a juros abaixo do mercado”, disse ela.

Ao longo da live, Clarissa também explicou que pretende fiscalizar pessoalmente dois setores que não funcionam no Rio de Janeiro: a fila do Sistema de Regulação (Sisreg) e as concessões de empresas de ônibus. Em relação ao tempo de espera no atendimento à saúde, a candidata garantiu que acabou o tempo do “liga pra Márcia”, em uma referência à denúncia de apadrinhamento na rede pública na gestão Marcelo Crivella.
Sobre o transporte, Clarissa assegurou que, ao contrário do que fez o ex-prefeito Eduardo Paes, as tarifas não serão reajustadas acima da inflação no seu governo. “Vamos acabar com os privilégios e apadrinhamentos”, afirmou.