Escolas estaduais seguem fechadas por conta da pandemia da covid-19. Matrículas para o ano letivo de 2021 foram abertas - Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
Escolas estaduais seguem fechadas por conta da pandemia da covid-19. Matrículas para o ano letivo de 2021 foram abertasReginaldo Pimenta / Agência O Dia
Por Yuri Eiras
Publicado 20/10/2020 15:47 | Atualizado 20/10/2020 16:05
Rio - Cadeados na porta, alunos e professores ainda em casa. No segundo dia de aulas presenciais para alunos do terceiro ano do Ensino Médio, 19 colégios estaduais da capital seguem fechados por conta do risco da Covid-19. Nessas instituições, as direções declararam à secretaria de Educação que fazem parte do grupo de risco, e preferiram manter as portas fechadas. A pasta pretende providenciar uma solução para o reinício das aulas. 
No Colégio Estadual Souza Aguiar, no Centro, funcionários que faziam entregas de livros didáticos esperaram por mais de uma hora a presença do diretor para receber as encomendas, mas ele não compareceu. O colégio é um dos 19 do Rio que permaneceram sem aulas presenciais. Um cadeado mantinha o portão fechado durante a manhã, sem qualquer sinal de movimentação de alunos. Niterói, Mesquita e Casemiro de Abreu também têm escolas as quais os diretores decidiram não abrir.
Publicidade
O cenário era parecido no Colégio Estadual Júlia Kubitschek, também na região central do Rio, especializado na formação de professores. A instituição consta na lista das que não vão retornar esta semana. Aluno do 3º do Júlia Kubitschek, Gustavo Borges, de 18 anos, é contra a aula presencial. "Eu prefiro o ensino remoto, porque eu tenho oportunidade de ter internet e porque não vale a pena voltar agora, já quase em novembro. Além disso, a maioria dos professores possuem comorbidades", argumenta o estudante, que aponta alguns percalços durante os meses de ensino à distância.
"O Júlia Kubitschek é um colégio normalista (que forma professores), e no 3º ano a quantidade de matéria aumenta. São 21 matérias, então é complicado pra conciliar tudo, ainda mais para os alunos que não têm Internet. Ao longo do ano letivo, houve momentos em que a relação entre professor e aluno não foi muito boa, mas com o costume e adquirindo experiência, tem se tornado mais leve. Porém, ainda é preciso de um preparo maior dos professores, e o cuidado com a matéria passada, porque existe um sobrecarga de atividades", afirma o jovem.
Publicidade
A volta às aulas presenciais só é válida para alunos do terceiro ano do Ensino Médio, pois estão prestes a fazer o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), e para a quarta fase da Educação de Jovens e Adultos (EJA).
Segundo a secretaria de Educação, 395 escolas estaduais voltaram em 12 cidades do estado, o que abrange aproximadamente 60,8 mil alunos. Os municípios que aceitaram o retorno das aulas foram Rio de Janeiro, Duque de Caxias, Mesquita, Nilópolis, Seropédica e Niterói, na Região Metropolitana, além de Casimiro de Abreu, São Pedro da Aldeia, Piraí, Itatiaia, Miracema e Natividade, no interior. Macaé, São Francisco de Itabapoana e Carapebus, no Norte Fluminense, voltaram à bandeira laranja de risco da Covid-19 e suspenderam as aulas.
Publicidade
Sepe: falta de cuidados em escolas estaduais
O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio (Sepe/RJ) divulgou nota, na última segunda-feira, denunciando a falta de protocolos sanitários em algumas escolas. No Colégio Estadual Dom Helder Câmara, no Engenho de Dentro, houve até confraternização em comemoração pelo Dia dos Professores, "ignorando toda forma de distanciamento social", segundo nota do sindicato. Na mesma escola, integrantes da direção sem máscaras conversavam com os alunos nas salas de aula. Em contato com O DIA, a secretaria de Educação afirmou que a confraternização contou com poucas pessoas e que todas permaneceram de máscaras, seguindo os protocolos sanitários.
Publicidade
Servidores com comorbidades não precisam voltar
O governo do estado afirmou ter destinado R$ 9 milhões para equipar cerca de 1,2 mil escolas estaduais. Segundo a pasta da Educação, "as escolas adequaram seus espaços" com distanciamento das carteiras e distribuição de máscaras, luvas e face shield para funcionários, além de dispensers de álcool em gel e tapetes sanitizadores.
Publicidade
A secretaria lembrou ainda que "não precisam retornar às aulas presenciais os servidores que estão enquadrados nos grupos vulneráveis da Covid-19, como imunodeprimidos, indivíduos com 60 anos ou mais que possuem doenças crônicas, gestantes e puérperas. Também foi recomendado que quem tiver contato ou more com alguém que tenha testado positivo para o novo coronavírus, se ausente das aulas presenciais".