O músico Evaldo Rosa foi morto atingido por nove tiros - Arquivo Pessoal
O músico Evaldo Rosa foi morto atingido por nove tirosArquivo Pessoal
Por Luísa Bertola*
Rio - O Superior Tribunal Militar (STM) suspendeu a decisão da juíza responsável pelo caso do músico Evaldo Rosa dos Santos, assassinado por agentes do Exército, em Guadalupe, na Zona Norte do Rio em abril de 2019. A juíza havia determinada que as partes fizessem suas considerações finais antes do julgamento. São 12 militares do Exército envolvidos no ataque ao carro, que viraram réus no processo. 
Publicidade
A defesa dos militares acusados de disparar os 257 tiros que mataram o músico Evaldo Rosa e o catador Luciano Macedo impetrou um habeas corpus para suspender a decisão. Os advogados dos réus alegam que não teriam sido intimados de diversas decisões, o que configuraria violação à ampla defesa. O STM acolheu o pedido e deferiu a liminar. 
O músico Evaldo Rosa morreu no dia 7 de abril de 2019, quando seguia com a família para um chá de bebê e teve o seu carro alvejado por mais de 80 tiros disparados por um grupamento militar que, supostamente, teria confundido o veículo com o de bandidos. Segundo laudos técnicos, foram disparados 257 tiros na ação.
Publicidade
Evaldo morreu na hora, mas seus parentes conseguiram escapar. O catador de materiais recicláveis Luciano Macedo, que estava nas proximidades e tentou ajudar a família, também foi atingido pelos disparos e morreu 11 dias depois.
Publicidade
*Estagiária sob supervisão de Beatriz Perez