Hospital de campanha no Riocentro  - Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Hospital de campanha no Riocentro Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Por O Dia
Rio - Um balão em chamas caiu, neste domingo, no centro de convenções onde fica o Hospital de Campanha do Riocentro, na Zona Oeste, que atende vítimas da covid-19. De acordo com a direção do local, o problema acontece há anos e por isso, será feita uma representação junto ao Ministério Público pedindo que investigue e cobre providências do Governo do Estado no combate aos crimes de fabricar, vender, transportar ou soltar balões no Rio de Janeiro, além de pedir uma audiência com o Secretário de Estado de Polícia Civil.
A direção do Riocentro também alegou que no mesmo dia do incidente, cerca de 30 homens invadiram o local para recuperarem um outro balão que também havia caído. "Apesar da polícia ter chegado momentos depois, ninguém foi preso. Só em 2019, foram avistados mais de 700 balões sobrevoando o centro de convenções. Desses, 27 caíram no local", dizia o trecho de uma nota da direção enviada ao DIA.
Publicidade
"Suplicamos por providências dos órgãos de fiscalização e combate a essa prática criminosa antes que uma tragédia aconteça e pessoas percam a vida. Verificamos quedas de balões durante o ano inteiro tanto aqui no Riocentro quanto no Parque Olímpico e no Aeroporto de Jacarepaguá. Esses grupos não fazem questão de se esconder, se exibem em redes sociais, soltam balões e correm atrás deles livremente. É preciso que haja investigação e punição, a fim de desestimular a prática", diz Gustavo Gregati, diretor jurídico do Riocentro.