Governador em exercício Cláudio Castro - Luciano Belford / Agência O Dia
Governador em exercício Cláudio CastroLuciano Belford / Agência O Dia
Por Yuri Eiras
Rio - O governador em exercício, Cláudio Castro, e o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, reforçaram o pedido para que a população fluminense permaneça com os cuidados sanitários para evitar o avanço da Covid-19. Castro anunciou que a fiscalização será mais rígida, inclusive com o uso do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar em aglomerações e eventos que desrespeitem o distanciamento.
Publicidade
"Nós estamos trabalhando em quatro grandes pilares: transparência, a abertura de leitos, a fiscalização e a conscientização da população. Gostaria de fazer um apelo: a pandemia não foi embora. Nós vivemos um ano extremamente difícil, onde todos tivemos prejuízos incalculáveis. O mundo inteiro errou nesse processo, e nós não fomos diferentes. Precisamos que shoppings, mercados, bares, restaurantes se conscientizem para não haver retrocesso. É preciso cuidado. A sanitização é fundamental. É um clamor que faço às empresas", afirmou Castro.
O secretário estadual de Saúde, Carlos Chaves, afirmou que, além da ampliação de leitos na rede pública, o estado vai investir em campanhas publicitárias educacionais.
Publicidade
"Chega de rave, chega de baile funk. Cada um tem seu espaço, mas não podemos mais viver isso. Repressão na rua, como no passado, não é bom. Temos de ser educativos", disse Chaves.
Vacinação sem 'batalha política'
Publicidade
Cláudio Castro também afirmou que não vai transformar a vacinação em uma "batalha política" e começará a imunização caso perceba atraso nas decisões do governo federal.
"O diálogo com o governo federal é muito importante, mas garanto à população que se houver qualquer atraso (na autorização da imunização), o Rio de Janeiro começará a vacinação, principalmente com os idosos e profissionais de saúde. O Rio não ficará atrás. Não estamos fazendo um campo de batalha política. Se houver qualquer atraso, compraremos as vacinas. Qualquer vacina, sem politização, desde que ela esteja liberada no país", ressaltou o governador em exercício.