Plenário da Alerj - Rafael Wallace/Alerj
Plenário da AlerjRafael Wallace/Alerj
Por O Dia
Rio - Os colégios da Polícia Militar no Estado do Rio de Janeiro devem reservar 20% das matrículas para filhos de policiais militares assassinados em serviço. É o que estabelece o projeto de lei 3431/2020, apresentado pelo deputado Charlles Batista (Republicanos) na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

O objetivo é atualizar a norma de criação dos colégios militares, Lei 3751/202, que não dispõe de um percentual para matrícula de dependentes de militares vitimados em serviço.

Na avaliação de Charlles Batista, é fundamental que o Estado assuma a responsabilidade de proporcionar educação de qualidade aos filhos de militares que perderam a vida em defesa da população.

"São inúmeros casos, lamentavelmente, de militares assassinados em serviço que deixam órfãos pequenos, o mais recente do cabo Cardoso. Nesse delicado momento, os filhos de PMs vitimados em serviço necessitam, mais do que nunca, do devido amparo do Poder Público, para salvaguardar a educação e formação de caráter", afirma Charlles Batista ao justificar o projeto de lei que será analisado pelas comissões de Constituição e Justiça; Educação; Servidores Públicos; Segurança Pública; e Orçamento.