Cedar deve normalizar distribuição de água no estado do Rio em dois dias - Divulgação/Cedae
Cedar deve normalizar distribuição de água no estado do Rio em dois diasDivulgação/Cedae
Por O Dia
Rio - A Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) anunciou, em audiência pública realizada na manhã desta sexta-feira (11), pela Comissão de Direitos Humanos e Cidadania, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), quo fornecimento de água somente será normalizado após a instalação do motor da Elevatória do Lameirão, na Zona Oeste da cidade do Rio, previsto para ocorrer entre os dias 18 e 23 deste mês. A companhia tem feito manobras no sistema de distribuição para que a redução não passe de 50% e aumentou a oferta de caminhões-pipa para atender aos pontos onde a água chega com mais dificuldade. Mais de 40 bairros da cidade e quatro municípios da Baixada Fluminense enfrentam escassez no fornecimento.

"Em alguns pontos o caminhão-pipa nem chega, tem que esticar uma borracha maior até a caixa-d’água. Mas estamos com carros-pipa rodando também à noite para poder ganhar mais velocidade e aumentamos muito o número de carros-pipa, além da manobras que estamos fazendo ao longo do dia”, afirmou Vieira.

O encontro foi marcado para debater os problemas de abastecimento e de saneamento básico no estado, agravados em um momento de crise sanitária.

O engenheiro explicou que a elevatória foi construída em 1965 e no final de 2018 apresentou problemas, Na época, o dano foi corrigido, mas em outubro outro motor quebrou ocasionando uma redução de 25% na distribuição de água da Cedae. "Já estamos consertando o problema. No dia 18 de dezembro o novo motor chega para a instalação, mas pedimos a contribuição da sociedade para usar a água de forma consciente, dessa forma conseguimos distribuir melhor e evitar que regiões fiquem sem água", ponderou.

O representante da Câmara Técnica da Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro. (Agenersa), Roosevelt Brasil, disse que a Cedae já foi multada em R$1,35 milhão pela falha no Lameirão. "A Cedae tinha mais de um motor com problema, há quase dois anos parados. A Agenersa vai continuar apurando o motivo dessa falha", afirmou Brasil.

A presidente da comissão, deputada Renata Souza (PSol), lembrou do Dia Internacional dos Direitos Humanos, comemorado ontem, e que a água é um direito fundamental estabelecido pela Organização das Nações Unidas (ONU). "Decidimos marcar essa reunião após recebermos muitas reclamações de moradores que estão vivendo sem água em um momento pandêmico. Esse é um direito que deve ser assegurado para toda população. Se a falta de água em si já viola os direitos humanos, a falta de água numa pandemia é muito grave", afirmou a parlamentar.

O defensor público Eduardo Chow destacou que o problema é estrutural e permanente. Segundo Chow, 20% da população do Rio ainda vive em áreas irregulares e não têm atendimento da rede formal de água. " Entendemos o problema específico do Lameirão, mas é preciso pensar qual é a política adotada pelo governo para promover um programa social para que o direito à água seja implementado definitivamente. Durante a pandemia, esse risco foi potencializado e isso não pode se manter assim", disse Chow.

Para minimizar os problemas, o Ministério Público do Rio (MPRJ), a Defensoria Pública e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) buscaram o fornecimento de caminhões-pipas para áreas carentes e detalharam regiões que estão sem água. "Esse é o mínimo que conseguimos fazer, mas uma política de estado que solucione esse problema é fundamental", frisou o coordenador do Grupo de Atuação Especializada em Meio Ambiente (GAEMA) do MPRJ, José Alexandre Maximino.

O defensor Eduardo Chow também destacou que o órgão entrou com uma ação civil pública junto ao Judiciário para garantir o fornecimento e reduzir a discriminação hidrossocial. "Se a água é pouca, não tem que privilegiar determinados bairros. Entendemos que o não acesso à água configura um dano material e moral, que viola a dignidade do cidadão", afirmou.

As atividades econômicas nas áreas periféricas do Rio estão sofrendo o impacto da falta de água, segundo Rejany Ferreira, representante do Comitê da Bacia Hidrográfica da Baía de Guanabara. "A água não chega todos os dias nas regiões mais vulnerabilizadas, periferias e favelas. E, vale ressaltar, que o carro pipa dobrou de preço e estamos falando de pessoas que não tem condição de comprar água?", perguntou.

Parlamentares discutem projeto de privatização

A intenção do governo do estado de privatiza a Cedae também foi pontuada pelos parlamentares que estavam na reunião. A deputada Mônica Francisco (PSol), lembrou que, na próxima terça-feira (15/12), parlamentares vão se reunir com o governador em exercício, Cláudio Castro, para tratar do assunto. Mais de um milhão de pessoas estão sem abastecimento de água, pontuou Mônica.

O deputado Waldeck Carneiro também destacou que, em 2019, o lucro líquido da Cedae foi de mais de R$ 1 bilhão, dos quais, quase R$ 400 milhões foram devolvidos ao Tesouro Estadual. "É preciso investir todo o lucro líquido na operação e modernização da empresa, e no cuidado com os biomas que servem de mananciais. Privatizar a Cedae não é a saída, mas não podemos continuar com a situação dessa forma", disse.

Já o representante da Agenersa, Roosevelt Brasil, há um problema de planejamento com a Cedae. "Em 2015, o governo do estado determinou que a Agenersa deveria fazer a revisão quinquenal da companhia, mas o governo e a Cedae decidiram adiar para 2020. E agora para 2022. No último ano, foram três trocas de diretoria. Não temos até hoje a relação dos ativos da Cedae, aquilo que ela precisa para oferecer saneamento à população do Rio. Precisamos colocar a casa em ordem", concluiu.

Também estiveram presentes os deputados Eliomar Coelho e Flávio Serafini, ambos do PSol, e a deputada Enfermeira Rejane (PCdoB).