Entregador de aplicativo recupera pertences de vítima após assalto em Botafogo, Zona Sul do Rio  - Divulgação
Entregador de aplicativo recupera pertences de vítima após assalto em Botafogo, Zona Sul do Rio Divulgação
Por O Dia
Rio - Um ato de heroísmo que salvou o dia de uma motorista de aplicativo na Zona Sul do Rio repercutiu na internet esta semana. Ana Paula Demarchi foi vítima de um assalto, por volta das 20h, ao parar em um sinal de trânsito en Botafogo no último domingo (24). Ela estava com duas passageiras no banco de trás do veículo e ficou sob a mira de uma faca, até que entregasse o único celular que tinha para trabalhar e R$ 50.

Foi então que Diego Batista Correia, de 27 anos, o "anjo da guarda" de Ana Paula surgiu para ajudar a motorista. Em um relato nas redes sociais, Ana Paula contou que o entregador de comida foi prestar ajuda a ela e, quando percebeu que o criminoso havia levado pertences dela, seguiu com a moto na contramão e correu atrás do bandido. "Nunca vi nada parecido, nem policial teria agido igual esse menino agiu", escreveu a vítima.

Segundo Diego, em um outro relato num grupo do Facebook da Zona Sul, ele e o criminoso tropeçaram e caíram no chão. No entanto, o entregador de comida reagiu primeiro e conseguiu recuperar o celular e uma bolsinha da vítima. Diego retornou ao local do crime e encontrou Ana Paula bastante assustada. Para o seu alívio, o "anjo da guarda" entregou os objetivos para ela.

Ana Paula conta que até tentou dar uma recompensa para Diego, mas o entregador se recusou a aceitar. "Alguns minutos ele voltou com a moto e parou do meu lado, me entregou o celular e não quis nada. Insisti para dar uma caixinha para ele, mas ele não aceitou em hipótese nenhuma, mesmo eu falando que era de coração e que ele merecia muito mais. Hoje eu tive a certeza que ainda existem anjos por aí, disfarçados de pessoas", escreveu a motorista de aplicativo.

Para ela, a palavra que a resume é gratidão. "Parabéns para o Diego e para a mãe dele, pela educação, idoneidade e caráter, que Deus o abençoe grandemente e o proteja todos os dias. Por mais "seres humanos assim. A palavra de hoje é GRATIDÃO, a Deus por não ter acontecido nada de grave comigo, e ao Diego por todo esforço para poder me ajudar, naquele momento que a minha vontade era só de chorar, me sentindo tão impotente e pensando nos meus filhos se algo de ruim tivesse acontecido comigo", relata ela.