Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) - Erasmo Salomão/Ministério da Saúde
Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)Erasmo Salomão/Ministério da Saúde
Por O Dia
Rio - Novos dados divulgados, nesta terça-feira, sobre a eficácia da vacina Covid-19 de Oxford-AstraZeneca, produzida pela Fiocruz no Brasil, reforçam a necessidade de se manter o protocolo de duas doses e o intervalo de três meses entre as doses. A pesquisa apontou que a primeira dose da vacina garante eficácia geral de 76%, dos 22 aos 90 dias após a aplicação.
Depois do período, a eficácia da vacina sobe para 82,4% com uma segunda dose de reforço. A eficácia subiu para 100% para casos mais graves da doença, já que não houve internações hospitalares. Os novos dados reforçam as análises de diversas agências regulatórias em todo o mundo, que autorizaram o uso emergencial da vacina, e confirmam a recomendação pelo intervalo de três meses entre as duas doses para se atingir uma taxa maior de eficácia.

As análises também sugerem que o impacto sobre a diferença de eficácia apresentada em estudo anterior estaria relacionado ao aumento de intervalo entre as doses e não ao nível da dose aplicada. A pesquisa também mostra potencial da vacina em reduzir a transmissão do vírus.