Pelo menos 110 supermercados serão pontos de vacinação contra a covid-19 - Divulgação
Pelo menos 110 supermercados serão pontos de vacinação contra a covid-19Divulgação
Por O Dia
Rio - A população do Rio poderá contar com o apoio de pelo menos 110 supermercados para a vacinação contra a covid-19. A oferta foi feita nesta quinta-feira por Fábio Queiroz, presidente da Associação dos Supermercados do Rio, durante reunião da Comissão de Desenvolvimento Econômico da Câmara, presidida pelo vereador Rafael Aloisio Freitas (Cidadania). Ainda segundo ele, pelo menos 30 novas lojas serão inauguradas no Rio ainda neste ano, num claro indicativo de retomada econômica da cidade.

"Retomar o desenvolvimento é nossa prioridade neste momento. Claro, sem descuidar da pandemia. Foi muito gratificante receber os representantes dos setores de indústria e abastecimento, e ver que todos estão empenhados em contribuir nestes dois sentidos. Os supermercados já tiveram uma experiência bem sucedida na vacinação contra H1N1 e podem, claro, nos ajudar muito no combate à covid", disse Rafael Aloisio Freitas.

Segundo Queiroz, os novos estabelecimentos serão responsáveis por cerca de 200 mil empregos diretos e 600 mil indiretos no Rio. O dirigente fez questão de agradecer aos vereadores pelo trabalho em conjunto realizado em 2020, que segundo ele foi fundamental para evitar o desabastecimento nas prateleiras da cidade.

"A gente viu cenas chocantes em países com um nível muito maior de desenvolvimento, como a Itália e os EUA, mais especificamente na Flórida. Aqui, felizmente não tivemos isso. E é preciso reconhecer o papel do Rafael Aloisio Freitas nisso. Apesar de botafoguense, fez uma porção de golaços como vereador durante a pandemia. E botafoguense fazer gol é difícil", brincou Fábio Queiroz.

A reunião, no entanto, não foi marcada apenas por esperança e bom humor. Representantes das entidades dos setores de abastecimento e indústria fizeram um apelo aos vereadores para conseguirem junto ao Poder Executivo soluções para problemas que vêm impedindo a geração de emprego e renda na cidade, como por exemplo o abandono do Mercado São Sebastião, na Penha, e do Distrito Industrial de Santa Cruz, na Zona Oeste, pela gestão Marcelo Crivella.

"Temos diversas pautas para tratar, mas se pudermos conseguir o básico, um mínimo de infraestrutura para trabalhar, já está de bom tamanho neste momento. Em Santa Cruz, os caminhões mal conseguem chegar ao Distrito. No Mercado São Sebastião a situação também é crítica", reclamou Fernanda Candeias Guimarães, diretora-presidente da Associação das Empresas do Distrito Industrial de Santa Cruz.

Também participaram da reunião Sergio Duarte, presidente do Rio Indústria, e Ana Cristina Cerqueira, Superintendente da Associação de Atacadistas e Distribuidores do Rio de Janeiro.