Polícia Civil faz operação para prender agressores no Dia Internacional da Mulher
Polícia Civil faz operação para prender agressores no Dia Internacional da MulherReginaldo Pimenta
Por O Dia
"A gente sabe que a casa é o local mais violento para a mulher. Ali vivem a vítima e o autor dos crimes, isso é muito difícil para ela". A declaração foi feita pela delegada Sandra Ornellas, diretora Departamento-Geral de Polícia de Atendimento à Mulher (DGPAM), durante entrevista coletiva para divulgar o balanço parcial da Operação Resguardopara prender homens investigados por crimes de violência contra à mulher. De acordo com a delegada, a mulher fica mais vulnerável quando vive ao lado do agressor. 
Antes, as pessoas usavam esse dia - Dia Internacional da Mulher- para dar flores, achando que era um dia de homenagem. Hoje, a gente grita por respeito e grita por igualdade. Enquanto não houver igualdade, essa violência vai continuar. Violência essa que pode começar com um grito e acabar em um feminicídio", reforçou a delegada.
Publicidade
A Operação Resguardo foi realizada no Brasil e contou com o apoio da Polícia Civil. No Rio, até o fim da manhã, a polícia conseguiu cumpri 43 mandados de prisão, dos 98 expedidos pela Justiça. 
Entre os casos de relevância, a polícia destacou a prisão de um homem acusado de abusar sexualmente de uma adolescente de 14 anos, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. Ele foi flagrado por câmeras de segurança estuprando a enteada. 
Publicidade
"A mãe colocou a câmera na casa porque estava desconfiada da moça que vazia serviços de limpeza em sua casa. Ela percebeu o sumiço de dinheiro e queria flagrar a mulher, mas descobriu que a filha era abusada por um homem que colocou dentro da própria casa", explicou a delegada Cristiane Carvalho de Almeida, da Deam Belford Roxo. 
Um homem foragido há mais de dois anos, autor de medida protetiva no Acre, foi preso ao fugir para o Rio. 
Publicidade
A Polícia Civil, por intermédio da Secretaria de Operações Integradas (Seopi-MJSP), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, iniciou no dia 1º de janeiro a Operação Resguardo. Ao longos das investigações, a Polícia Civil do Rio recebeu mais de 30 mil denúncias de violência contra a mulher: Mais de sete mil inquéritos foram instaurados.