Foto do acidente que vitimou Ivan Vander.
Foto do acidente que vitimou Ivan Vander.Divulgação
Por O Dia
Rio - O motociclista Ivan Vander Santos Miranda, de 18 anos, foi atropelado no último dia 6 e, até o momento, aguarda por uma cirurgia na coluna, no Hospital Municipal Pedro II, em Santa Cruz. O rapaz teria fraturado quatro vertebras depois de ser arremessado de sua motocicleta por um veículo que vinha na contramão, na Estrada de Piaí, em Sepetiba, Zona Oeste do Rio.
Segundo a mãe do rapaz, que preferiu não se identificar com medo de represarias, ao chegar ao local em que o filho estava, testemunhas afirmaram que o motorista do veículo estava embriagado e que chegou a urina em uma viatura da Policia Militar, que foi acionada para o local.
Publicidade
O rapaz foi rapidamente socorrido pelo Corpo de Bombeiros e levado para o Hospital Municipal Rocha Faria, e, em seguida, transferido para o Hospital Pedro II na segunda-feira. Mesmo em situação de saúde delicada, o hospital afirma que não há vagas para operação e que o rapaz precisará esperar.
"[Eles dizem que]Tem que esperar a vaga para fazer a cirurgia. [Ele está] Cheio de dor com esse estado que está, todo quebrado. O quarto do hospital está sem ar, maior calor. E ainda não posso ficar de acompanhante por conta da Covid-19. Ele vive dizendo que está sofrendo muito dentro do hospital", revelou a mãe do rapaz.
Publicidade
Ainda acordo com a mãe, foi registrado um Boletim de Ocorrência na 43ª DP (Guaratiba) contra o motorista, que seria um oficial da Marinha aposentado. "O cara [o motorista] acha que só por que é habilitado pode sair por aí tentando matar os outros. Meu filho estava trabalhando para tentar ajuda em casa, não estava roubando, e nem nada de errado", lamentou a mãe, que explicou que a carteira do homem estava vencida.
"O que eu mais quero é a cirurgia do meu filho, pois esse hospital é um horror! Infelizmente com essa pandemia meu filho estava trabalhando para juntar um dinheiro para tirar a carteira de habilitação dele e ele também estava me ajudando a pagar o aluguel de casa porque estou desempregada. Isso nos atrapalhou muito", explicou a mãe de Ivan.
Publicidade
Procurada, a Polícia Militar informou que está apurando informações sobre o caso. Já a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) não retornou as mensagens do jornal até o fechamento desta matéria.