Taxa de ocupação de leitos de UTI está em 92% no estado do Rio
Taxa de ocupação de leitos de UTI está em 92% no estado do RioRovena Rosa/Agência Brasil
Por O Dia
Rio - A cidade do Rio de Janeiro registra, neste sábado (27), 687 pessoas internadas em um leito de UTI Covid na rede pública municipal. O número é o maior desde o início da pandemia. A cidade tem batido recordes diários e, ao todo, entre CTI e enfermaria, a rede tem 1.317 hospitalizados, com uma taxa de ocupação de leitos em 91%.
A parada emergencial de dez dias, decretada pela prefeitura, tem o objetivo de diminuir a taxa de internações na capital e, assim, evitar um colapso na rede. Até o domingo de Páscoa, dia 4 de abril, apenas o comércio essencial poderá abrir, e há restrições de circulação, como a proibição de permanecer na areia da praia. Neste sábado, no entanto, a reportagem do DIA flagrou descumprimentos em toda a orla da Zona Sul.
Publicidade
O Rio e toda a Região Metropolitana estão em 'risco muito alto' no cenário da pandemia, de acordo com o mapa da Secretaria Estadual de Saúde divulgado na última sexta-feira. Confira a evolução no número de internados em leitos de UTI nas  últimas duas semanas:
12/3: 518 internados
13/3: 528 internados
14/3: 554 internados
15/3: 547 internados
16/3: 581 internados
17/3: 607 internados
18/3: 637 internados
19/3: 638 internados
20/3: 640 internados
21/3: 647 internados
22/3: 629 internados
23/3: 655 internados
24/3: 664 internados
25/3: 659 internados
26/3: 679 internados
27/3: 687 internados
Publicidade
Na capital, a taxa de mortalidade em leitos de UTI é de 40%, segundo o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.
"Esse é o dado preocupante (o dos leitos de UTI). São pessoas que tiveram Covid da forma grave. Este é o momento mais grave. As pessoas estão muito mais internadas de forma grave do que anteriormente, muito também porque, agora, temos leitos. Cresceu o número de leitos, mas cresceu o número de pessoas internadas. A mortalidade de um leito de CTI é de, no mínimo, 40%. Isso significa que muitas pessoas estão adoecendo, e adoecendo de forma grave", comentou Soranz na última sexta-feira, durante apresentação do novo boletim epidemiológico. O município registra, desde o início da pandemia, 222.256 casos e 20.034 óbitos.