Delegacia de Homicídios
Delegacia de HomicídiosFoto: Arquivo Mais
Por O Dia
Rio - O Portal dos Procurados divulgou, na quinta-feira (22), um cartaz para ajudar nas investigações da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) com informações sobre os envolvidos na morte de Alberto Magalhães Mourão, de 33 anos, no dia 17 dezembro do ano passado, em Três Pontes, em Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio. Segundo as investigações, Lucas Leóterio Muniz, de 23 anos e Sávio Alves Marinho da Silva, de 23 são os principais suspeitos pelo crime.  Os dois são considerados foragidos da Justiça, e com mandado de prisão pendente.
Ainda segundo as investigações, no dia 117 de dezembro, Alberto Magalhães, passava pela região, por volta das 20:00hs horas, quando foi abordado pelos traficantes Luiz Henrique, Lucas e Sávio, que questionaram seu bairro de origem. Após a vítima dizer que residia no bairro Joaquim Oliveira, os criminosos passaram a espancar a vítima com pauladas até a morte. A dupla acreditava que o homem era informante da polícia, pela região ser uma área dominada pela milícia. Os criminosos também ocultaram cadáver em uma fazenda de eucaliptos. O corpo da vítima foi encontrado cerca de uma semana após o crime. Os traficantes ainda filmaram toda a ação e os vídeos da execução e circularam em redes sociais. 
Publicidade
Os policiais da DHNSG prenderam Luiz Henrique da Silva Oliveira, em São Gonçalo. Ele foi ouvido, confessou o crime e informou que Lucas e Sávio também participaram da ação. Contra os acusados, foi expedido um mandado de prisão 1ª Vara Criminal de Itaboraí, pelo crime de homicídio simples (Art. 121, caput - CP).

O Disque Denúncia recebe informações sobre os dois foragidos, ainda em liberdade, nos seguintes canais de atendimento:

- WhatsApp do Portal dos Procurados: (21) 98849-6099
- Telefones: (21) 2253 1177 ou 0300-253-1177
Publicidade
- Aplicativo "Disque Denúncia RJ"
- Facebook/(inbox)
Publicidade
- Twitter/ (mensagens).
O portal ressalta que o anonimato é garantido. A DHNSGI está encarregada do caso e do inquérito criminal.