Atletas buscam ajuda para competir

Carateca e ginasta se classificam para importantes campeonatos, mas não têm como bancar despesas

Por O Dia

Atletas precisam de ajuda financeira para competir -

Quanto vale um sonho? Até onde vai a determinação para realizá-lo? Para dois jovens atletas da Baixada Fluminense todo esforço é válido em busca de um objetivo trilhar o caminho que os levará ao topo do pódio. O carateca Yan Oliveira Almeida, de 16 anos, e a ginasta Manoella Aparecida, de 13, estão prestes a embarcar em competições importantes, mas, antes da viagem, precisarão vencer um desafio: a falta de recurso financeiro.

Manoella Aparecida, moradora de Itaguaí, vai representar o Brasil em Portugal, dia 25, no Campeonato Mundial, categorias individual e trio. A atleta, que já é campeã sul-americana de ginástica aeróbica, começou no esporte ainda bem pequena, aos 6 anos. "Quero muito ser uma grande ginasta e trazer muitas medalhas. Gosto de treinar e competir", empolga-se a menina.

Ainda sem apoio ou patrocínio, a jovem realiza leilões de camisas oficiais autografadas e vende trufas para realizar o sonho de representar o Brasil no mundo. "Para a competição já conseguimos ajuda para pagar a passagem, mas para o Sul-americano, no Peru, ainda não temos nada", revela a mãe, Danielle Aparecida.

A Baixada Fluminense, por sinal, é um celeiro de talentos. Outro exemplo é o carateca Yan Oliveira Almeida. Há uma semana, o jovem de Belford Roxo conquistou medalha de ouro na sua categoria.  Ele sonha em chegar às Olimpíadas, mas, por enquanto, luta para conquistar patrocinadores para seguir em frente na carreira.

Em junho, ele estará no Campeonato Brasileiro, mas está precisando até mesmo de material básico, como quimono, luvas e caneleira. "Tenho que estar com tudo em mãos. Vamos nos desdobrar para conseguir. Quero realizar meu sonho e trazer o título para o Brasil e para a minha cidade", afirma Yan. 

A luta por recursos conta com o engajamento das famílias dos atletas. "É uma pena se, por falta de patrocínio, a gente não conseguir trazer o título", lamenta Cíntia de Almeida, mãe de Yan.

Para ajudar Yan, basta ligar para o número 96837-1858. Já para contribuir com Manoella, o telefone é 98474-7843 ou o e-mail ginastamanoellaaparecida@gmail.com.

Galeria de Fotos

Atletas precisam de ajuda financeira para competir Divulgação
O carateca Yan Oliveira Almeida, de Belford Roxo, luta para conseguir verba para comprar quimono, luvas e caneleira Divulgação
A ginasta Manoella Aparecida, de Itaguaí, precisa de recursos para o Campeonato Mundial, em Portugal Divulgação
Atletas precisam de ajuda financeira para competir Divulgação
Postos de troca de figurinhas da Copa estão bombando na Baixada DIVULGAÇÃO
Postos de troca de figurinhas da Copa estão bombando na Baixada DIVULGAÇÃO

Comentários

Últimas de O Dia na Baixada