Moradora de Niterói, Ana Luiza França lança seu primeiro livro, 'No Ventre do Mundo', uma coletânea de poesias - Laura França / Divulgação
Moradora de Niterói, Ana Luiza França lança seu primeiro livro, 'No Ventre do Mundo', uma coletânea de poesiasLaura França / Divulgação
Por Karina Fernandes

O dom da escrita, que surgiu ainda na infância, cresceu, virou paixão e profissão, e já está dando frutos: no dia 10, a professora e moradora de Niterói, Ana Luiza França, de 36 anos, vê seu talento ganhar vida e lança seu primeiro livro de poesias, No Ventre do Mundo. A obra reúne 107 textos da autora, contando com o da contracapa.

"As poesias falam sobre viver neste mundo, sobre todas as delícias e as dores que vêm com isso. Antes de 2018, escrever um livro não era algo que estava nem em meus planos, nem em meus sonhos. Mas a poesia só me traz coisas boas. O momento em que escrevo os poemas já é como um pequeno milagre, muitas vezes. E saber que as pessoas querem lê-los, gente que mora nos quatro cantos do país, que mora até fora do Brasil. Cada mensagem que recebi até hoje, a forma como as pessoas se permitem ser atravessadas pelos poemas feitos por mim, é algo que sempre me emociona", derrete-se ela.

O lançamento será feito através de uma live, pelo Instagram (@palavrafranca), no dia 10, às 20h. Inclusive foi nessa rede social onde tudo começou, em 2018. A ideia era colocar para fora toda a sua veia artística, em destaque desde sempre: Ana tem duas graduações — Artes Cênicas (UniRio) e Produção Cultural (UFF) — e tem mestrado também pela UniRio.  

A autora lembra que começou a escrever seus primeiros poemas ainda na infância. Mas foi na adolescência que o dom aflorou, mas apenas para ela: ninguém podia ler.

"Há pouco tempo, minha mãe encontrou na casa da minha avó, onde passávamos férias, dois poeminhas feitos por mim. Pelas letras, eu devia ter uns 7 anos. Na adolescência, meus cadernos eram cheios de versos, eu amava escrever cartas. Sempre gostei de me expressar através da escrita. Mas, poesia, especialmente, eu escrevia para mim, não mostrava para ninguém. Era uma forma de lidar com sentimentos intensos e era algo mais pontual, em situações como términos de relacionamentos, por exemplo. Foi após a experiência de escrita de uma dissertação de mestrado, que comecei a escrever poemas com maior frequência e a pensar que outras pessoas talvez gostariam de lê-los. Aí, foram alguns meses até encontrar coragem para iniciar o perfil no Instagram", lembra a escritora.

A publicação do livro de Ana foi possível, pois ela foi selecionada Chamada Pública de Fomento às Artes de Niterói, realizada pela prefeitura, por meio da Secretaria Municipal das Culturas e Fundação de Arte de Niterói (FAN). "Poder publicar meu primeiro livro através de um edital público, realizado pela Prefeitura de Niterói, é algo maravilhoso. Por isso, pude reunir uma equipe só de mulheres, de forma independente, através do selo Palavra Franca. Infelizmente, estamos em um momento em que artistas e iniciativas públicas de fomento às artes são quase criminalizadas. Nesse sentido, Niterói é uma cidade que está avançando nos últimos anos", elogia.

Além de escrever, Ana dá aulas de teatro desde 2006, especialmente para crianças e adolescentes. Foi pensando nessa relação com os jovens que ela resolveu criar a Oficina Palavra Franca de Escrita Criativa, voltada para adolescentes do sexo e/ou gênero feminino, moradoras de Niterói, preferencialmente da região do Engenho do Mato, e estudantes de escolas públicas.

"Serão quatro encontros com 20 jovens em plataforma de conferência virtual. Acredito no potencial de fortalecimento e de libertação da escrita, à medida em que ela se apresenta como uma possibilidade criativa de dialogar com a realidade. Com a oficina, pretendo contribuir para que cada participante encontre, ou aprofunde, sua própria forma de se expressar através das palavras. Além de participarem da oficina, as jovens irão ganhar também um exemplar do livro", revela.

Quem quiser comprar o livro ou obter mais informações sobre Ana ou a oficina, pode entrar em contato pelo Instagram (@palavrafranca) ou no endereço eletrônico [email protected]

 

Você pode gostar
Comentários