Com média de 15 novos casos semanais, São Gonçalo libera autoteste caseiro de HIV

Usuários com resultado positivo no autoteste devem refazer o exame em uma das três unidades de referência da cidade, que hoje tratam 4.222 pacientes soropositivos

Por Irma Lasmar

Na caixa do autoteste contém manual de instrução, lanceta automática estéril, dispositivo de coleta de amostra, curativo adesivo e sachê com álcool
Na caixa do autoteste contém manual de instrução, lanceta automática estéril, dispositivo de coleta de amostra, curativo adesivo e sachê com álcool -
SÃO GONÇALO - Desde a última semana, a Policlínica Gonçalense de Referência para Doenças Crônicas e Transmissíveis Cazuza, no bairro Parada 40, está disponibilizando autotestes para a detecção do HIV. O exame é gratuito, seguro e permite ao paciente resultado em até 15 minutos, além de poder ser realizado onde e quando a pessoa quiser, inclusive em casa. O município hoje trata 4.222 pacientes soropositivos com coquetel antirretroviral. Segundo a coordenadora do programa municipal IST/AIDS e Hepatites Virais, Monique Gonzalez, o teste é feito a partir da coleta de uma gota de sangue. “Esse exame é indicado para uso doméstico, como um autoteste de triagem inicial, conseguindo detectar a presença do vírus HIV”, conta ela. A caixa contém manual de instrução, lanceta automática estéril, dispositivo de coleta de amostra, curativo adesivo e sachê com álcool. 

Ainda de acordo com a coordenadora, as orientações são passadas no momento da retirada do autoteste. Cada pessoa, munida de documento com foto, pode retirar até cinco autotestes por mês. O exame é fácil e rápido, semelhante a um teste de glicemia. Mas os usuários com resultado positivo no autoteste devem refazer o exame em uma das três unidades de referência da cidade: Policlínica da Parada 40, Clínica da Família Dr Zerbini, no Arsenal, e no Polo Sanitário Hélio Cruz, no Alcântara.
Em funcionamento desde março, a Policlínica Cazuza, responsável pelos atendimentos para sífilis, HIV e hepatites virais, realiza em média, semanalmente, cerca de 300 atendimentos de testagem rápida, acolhendo moradores do município e regiões vizinhas como Maricá, Itaboraí e Niterói. Fica na Rua Dr. Francisco Portela n° 2421, na Parada 40, e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Diversos profissionais, como infectologistas, hepatologistas, nutricionistas, ginecologistas, psicólogos, assistentes sociais, dentistas e pediatras realizam o tratamento dos portadores do vírus da AIDS após a confirmação do diagnóstico. As unidades de saúde também distribuem preservativos e material educativo para a população.

Em outubro do último ano, São Gonçalo foi o primeiro município do estado do Rio a receber o equipamento de carga viral rápida para HIV e hepatite C e realizar os exames de forma espontânea e sem restrição aos demais municípios. Encaminhado pelo Ministério da Saúde, o aparelho possui uma técnica de alta sensibilidade que detecta e quantifica a carga viral, ou seja, o material genético do vírus, e baseado nesse resultado é que o médico infectologista avaliará se o paciente está respondendo ao tratamento. Com a nova aquisição, os resultados, que antes levavam 15 ou 20 dias, são obtidos no mesmo dia do exame. E, seguindo a recomendação do Ministério da Saúde, cada caso positivo é notificado. 
De acordo com levantamento do Serviço de Atendimento Especializado (SAE), a maior incidência de casos de HIV é de jovens entre 15 e 29 anos, com uma média de 15 novos casos por semana. “Damos toda a assistência aos pacientes que realizam tratamento aqui, com atendimento médico especializado e distribuição de medicamentos, trazendo qualidade de vida aos nossos pacientes”, garante o secretário municipal de Saúde, Jefferson Antunes. Em 2019, a Secretaria de Saúde de São Gonçalo aumentou o número do Serviço de Atendimento Especializado (SAE). Hoje, há três pontos do programa com testagem rápida e tratamento para o HIV (Centro de Referência, Polo Sanitário Hélio Cruz e Clínica Municipal Dr. Zerbini), com infectologistas e enfermeiros, além de também aumentar o número de Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA).

Comentários