Conselheiros da Cultura Sandra Fabiano e Evandro Marques, Meriti. - Pedro teixeira
Conselheiros da Cultura Sandra Fabiano e Evandro Marques, Meriti.Pedro teixeira
Por O Dia
Aprovada no fim de junho, a Lei Aldir Blanc vai destinar R$ 3 bilhões para a Cultura, durante a pandemia da Covid-19. Trabalhadores e organizadores culturais poderão receber auxílio emergencial neste período. No início comemorada, erros no cadastro, falta de informações e dificuldades de diálogo com o governo, estão gerando problemas para os artistas. A Baixada Fluminense vai receber cerca de R$ 23,6 milhões.
Com a realização da primeira reunião para definir como seria o processo feita somente no último dia 15, o cadastro ainda não está disponível em São João de Meriti. A Secretaria de Cultura foi alvo de críticas pelos conselheiros municipais do setor.
Publicidade
“Estamos tentando definir isso desde o início do mês. Inicialmente, a prefeitura não queria incluir orientação sexual nem religiosidade dos artistas, mas fomos contra. A prefeitura deve apresentar o cadastro na sexta, mas a gente não sabe se vão aceitar as inserções que pedimos”, comentou Sandra Fabiano, conselheira municipal de Cultura do Município.
Também conselheiro da cidade, Evandro Marques disse que a prefeitura queria esperar a regulamentação da lei federal para iniciar o registro. “O cadastro já poderia ter sido feito sem a regulamentação. A cidade não sabe o que ela tem, quantos artistas e coletivos, não conhece a realidade da sua cultura”, afirmou o artista.
Publicidade
Segundo a Prefeitura de São João de Meriti, os campos de orientação sexual e religiosa no cadastro serão inclusos, mas que a resposta não será obrigatória. Disse ainda que o cadastro deverá estar disponível até 3 de agosto.