Menos face, mais livros

Sou um compulsivo comprador de livros via internet desde a saudosa BookNet, que foi o embrião do Submarino, criado em 1999

Por bruno.dutra

Nos últimos tempos, duas livrarias pontocom têm merecido minha atenção. A primeira é a 30porcento.com.br. Como o próprio nome sugere, dá 30% de desconto na compra de qualquer livro. Como trabalha com dezenas de editoras, fica até difícil atualizar o catálogo, que já é bem rico. O serviço funciona, os livros chegam bem embalados e dentro do prazo estimado. Bola dentro. Mas aí veio a Amazon.com.br e resolveu começar a vender livros físicos, além dos e-books que já comercializava por aqui. Começou timidamente, sem a farra de descontos que tem provocado a ira de livrarias em todo o planeta.

Na última semana, entretanto, a generosidade começou a aparecer com força, e algo me diz que a chiadeira da concorrência vai começar no Brasil, como já aconteceu nos EUA e na Europa. Por lá, escritores dizem que a megalivraria estaria prejudicando sua vida. É a tal história: de um lado, reserva de mercado; de outro, o perigo do monopólio. Uma combinação frequentemente explosiva. Só que a Amazon tem razão num ponto. Diz que nunca viu seus clientes reclamando. E são eles que mandam. Enfim, ficam as dicas. E torço para que a 30porcento resista. Ah, sim: reforçando minha campanha “Menos Facebook, mais livros”, fica aqui a dica do Leitura de Bordo, que fica em //blogs.odia.ig.com.br/leitura-de-bordo/. Bem interessante. Modéstia à parte.

Poder e força

Não tem jeito. Os números da Microsoft sempre surpreendem, por mais que muita gente torça o nariz para ela. Agora mesmo a empresa divulgou que seu crescimento no Brasil, no ano fiscal de 2014, foi maior que os 11,69% registrados na média mundial. A gigante não entra em maiores detalhes, dizendo apenas que a receita no período, encerrado em junho, bateu US$ 86,73 bilhões. É muita saúde.

Todo cuidado é pouco

Fabricante de antivírus controlada pela Intel desde 2010, a McAfee está divulgando seu relatório referente ao trimestre terminado em agosto. Diz que nada menos que 80% das empresas não conseguem detectar um de cada sete e-mails de phishing, uma das mais tradicionais armas para roubo de senhas e outros dados sensíveis. Departamentos de finanças não costumam tomar tanto cuidado quanto deveriam.

Applemaníacos afoitos: é hoje o dia

Fãs da Apple estão hoje de olho ligadíssimo nos anúncios a serem feitos na Califórnia. Novos iPhones, relógio inteligente etc. A empresa convidou meio mundo da moda para a festa, indicando que quer fortalecer sua marca justamente onde já detém a liderança. Difícil, agora, é bater Samsung e outras marcas com Android. Aguardemos.

Motorola apresenta seu smartwatch

A Motorola Mobility apresenta seu relógio inteligente Moto 360, que começou a ser vendido semana passada nos EUA. Roda sob Android Wear, armazenamento interno de 4GB e um monitor de batimentos cardíacos. Sai a US$ 250 e pode ser um bom presente de Natal para os mais ligados em tecnologia. Aqui no Brasil, só em outubro.

Queixas, queixas, queixas, queixas

E o Procon-SP continua tendo trabalho com as empresas de tecnologia. De janeiro a junho, foram 1.980 queixas a respeito de computadores, e outras 1.870 a respeito de aparelhos de celular.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia