Surfe surgiu de forma romântica antes de se tornar esporte com altas cifras

Na década de 50, grupo de mergulhadores introduziu a modalidade nas praias do Rio

Por monica.lima

Rio - Negócio bilionário hoje, o surfe no Rio começou de forma amadora e romântica ainda no anos 1950. A praia do Arpoador era o point, e o esporte teve início com um grupo de mergulhadores liderados pelo italiano Arduíno Colassanti, também ator do Cinema Novo e pescador, morto em fevereiro deste ano aos 78 anos. Arduíno foi um dos primeiros a deslizar sobre as ondas com seu pranchão de madeira,  modelo que hoje custa em torno de R$ 3 mil. A primeira prancha de fibra de vidro  chegou ao Brasil pelas mãos dele, que foi também o pioneiro no país em mergulho profissional em grandes profundidades. 

Leia também: O negócio bilionário do surfe

Os surfistas com seus pranchões estão no point do surfe no Rio%2C em setembro de 1967. A Praia do Arpoador%2C ainda hoje%2C é referência do esporte no Brasil.Adalberto/Agência O Dia


Foi no Arpoador também que o lendário esportista Pepê, Pedro Paulo Guise Carneiro Lopes, se tornou o primeiro brasileiro a vencer uma etapa do circuito mundial válido pela IPS (International Professionals Surfers), o Waimea 5000, em 1976. Foi também o sexto colocado no Pipe Masters do Havaí e por um bom tempo esteve entre os 20 melhores surfistas do mundo. No final da década de 70, Pepê se apaixonou pelo voo livre e também foi campeão mundial na categoria. Economista e empreendedor, foi precursor da alimentação natural e saudável na cidade. Em 1981 ele abriu sua primeira barraca na praia do Pepino, a preferida dos voadores. Pepê morreu em 1991, aos 33 anos, em acidente durante o campeonato mundial de voo livre, em Wakayama, no Japão.

Praia do Arpoador lotada assiste ao Waimea 5000 de 1976%2C o primeiro, à época, organizado pela International Professional Surfers (IPS)%2C vencido pelo brasileiro PepêHynno/Agência O Dia


O píer de Ipanema, no Posto 9 da praia,  é outra lembrança que remete ao surfe na cidade. A construção do emissário submarino nos anos 70, que lançaria para a costa o esgoto do bairro, fez surgir a construção que marcou uma geração. Além de ser o local da a turma do desbunde, que reunia artistas e intelectuais, atraiu os surfistas: a obra fez surgir boas ondas naquele ponto da praia.

O Píer de Ipanema foi construído para assentar tubos do emissário submarino que estava em construção. A obra fez surgir ondas incríveis. Em 1975 foi desmontado.Gomes/Agência O Dia


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia