Por monica.lima
Nascido há quatro anos como espaço de convergência das variadas linguagens que compõem a música contemporânea, o Festival Novas Frequências é hoje referência quando o assunto são as tendências musicais. Fruto da parceria entre os produtores culturais Chico Dub e Tathiana Lopes, o Novas Frequências tem como objetivo mostrar as produções de destaque da música de vanguarda. Em sua 4ª edição, o festival internacional reúne 33 atrações de 11 países diferentes a partir da próxima segunda-feira, dia 01, até domingo, dia 14, no Rio. Quatro vezes maior que no último ano, o evento, que antes acontecia no Oi Futuro Ipanema, agora integra outros cinco espaços da cidade: Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto, Casa Daros, Audio Rebel, La Paz e POP - Polo de Pensamento Contemporâneo. Considerado o Melhor Festival do Rio de acordo com o Prêmio Noite Rio 2013, o Novas Frequências tem como diretriz só apresentar atrações internacionais inéditas no país. No caso dos artistas nacionais, a curadoria prima por apresentações que nunca ocorreram antes na cidade, revelando a produção ainda pouco conhecida de vários cantos do país.
O pianista ucraniano Lubomyr Melnyk%2C criador da “música contínua”%2C se apresenta no festival se apresenta no Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto%2C no dia 03Fabio Lugaro

Sempre em busca de artistas que rompem com fronteiras pré-estabelecidas em busca de novas linguagens sonoras, a programação do festival engloba shows, performances resultantes de residências artísticas, oficinas, festas, sound walks e discussões sobre música contemporânea, seu processo criativo e mercado, apresentando um panorama da música experimental.

“Inicialmente, eu e o Chico identificamos no Rio uma dificuldade de produzir artistas que circulassem pela música experimental. Depois de pesquisar mais, descobrimos que o Brasil como um todo é carente de eventos que apresentem essas atrações. A partir daí, procuramos artistas que propõem novos formatos para mostrar o que está sendo produzindo no mundo. O festival se estruturou principalmente por consolidar um formato que estava faltando”, explica Tathiana Lopes, uma das organizadoras do evento.
Publicidade
A 4ª edição do Novas Frequências possui diversos eixos curatoriais que se cruzam e estabelecem novas conexões. Entre atrações está o novo projeto do escocês William Bennet, o “Cut Hands”, que mistura techno e noise com percussão de rituais do Haiti. O artista se apresenta no La Paz no dia 05, às 23h.
Um dos mais conhecidos nomes da “música celestial”, o norte-americano Laraaji mistura produções da Índia e outras regiões do Oriente formando um ritmo único. Sua apresentação acontece dia 11, às 21h, no Oi Futuro Ipanema. Além do show, o músico também apresentará o workshop “Laughter Meditation”. Durante a prática, o artista ensina a utilizar o riso de forma consciente em função de seus múltiplos benefícios à saúde.
Publicidade
Outros destaques desta edição se debruçam sobre uma abordagem diferente em relação a instrumentos musicais ocidentais. Entre eles, o pianista ucraniano Lubomyr Melnyk, criador da “música contínua”, uma linguagem para piano que estabelece um fluxo contínuo e ininterrupto de som. O músico, considerado o pianista mais rápido do mundo, se apresenta no Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto no dia 03, às 20h.
Já a “caminhada silenciosa”, da artista plástica paulistana Vivian Caccuri também é um dos destaques deste ano. A performance se estrutura em itinerário urbano para um grupo de quinze a vinte pessoas, que durante oito horas caminham sob voto de silêncio. O grupo é guiado pela artista por lugares com sons interessantes e acústicas incomuns. Especialmente para o Novas Frequências, Vivian vai desenvolver uma caminhada silenciosa inédita em torno dos bairros do Humaitá e Botafogo, zona Sul da cidade. Mariana Pitasse ([email protected])
Publicidade
ONDE ASSISTIR

A 4ª edição do festival acontece de 01/12 a 14/12, no Oi Futuro Ipanema, Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto, Casa Daros, Audio Rebel, La Paz e POP - Polo de Pensamento Contemporâneo. Mais infos: www.novasfrequencias.com
O universo de bonecos do Giramundo ocupa Itaú Cultural
Publicidade
Na 21ª edição da série “Ocupação”, produzida pelo Itaú Cultural, o grupo de teatro de bonecos Giramundo será o homenageado da vez. Referência no país, o grupo foi criado em 1971, em Belo Horizonte, por Álvaro Apocalypse, Terezinha Veloso e Maria Antonieta Vivacqua, a Madu. A exposição,que revela todos os detalhes da trajetória da companhia, abre ao público amanhã e segue até 11 de janeiro.
Pensado para a mostra, o espaço expositivo se transformou em um círculo. Com intuito de reproduzir o ateliê do grupo, um dos módulos da exposição apresenta o processo criativo e construtivo das marionetes. Pés, mãos, cabeças e protótipos de mecanismos são expostos para ilustrar essa parte.
Publicidade
Além disso, são destacados detalhes da formação de marionetistas na escola da companhia e à preservação de seu acervo no Museu Giramundo, que o consagra como um dos mais importantes centros de pesquisa e referência em teatro de bonecos do país.
A exposição é integrada à programação especial do Itaú Cultural “Fim de Semana em Família”, que conta com encenações dos maiores espetáculos da companhia, num palco móvel, dentro do próprio espaço expositivo da Ocupação.
Publicidade
ONDE ASSISTIR

O Itaú Cultural fica na Avenida Paulista, 149, na altura da Estação Brigadeiro do Metrô, em São Paulo.
Arte vanguardista portuguesa em cartaz no Oi Futuro
Publicidade
O “25 de abril”, como os portugueses lembram a Revolução dos Cravos, não devolveu somente a democracia a Portugal. Um grupo de artistas que surgiu após a Revolução recolocou o país no mapa da arte contemporânea e revitalizou a cena artística do país. A exposição “Marulhar: artistas portugueses contemporâneos”, em cartaz no Oi Futuro, no Rio de Janeiro, oferece ao público a possibilidade de conhecer o trabalho dessa geração.
Durante a revolução, as poucas galerias de arte existentes em Portugal ficaram fechadas. Para o curador Delfim Sardo, o grupo representou uma ruptura estética em relação aos artistas mais relevantes da década de 80, como Julião Sarmento e Pedro Cabrita.
Publicidade
Para representar esse período de liberdade criativa e retomada da ligação de Portugal com o Brasil, foram selecionadas obras dos artistas Rui Toscano, Daniel Malhão, Alexandre Estrela e João Onofre, entre outros. Quase todos têm em comum a condição de imigrantes. O Oi Futuro fica na Rua Dois de Dezembro, 63, no Flamengo, no Rio.
NOTAS
Publicidade
Amilcar de Castro no MAM-Rio
Está em cartaz no MAM-Rio, a exposição “Amilcar de Castro". Em formato de uma grande retrospectiva da obra do artista mineiro, a mostra, que tem curadoria de Paulo Sergio <CW-22>Duarte, apresenta 62 obras produzidas entre os anos de 1960 e 2001.
Publicidade
Mostra de cinema alemão no IMS-RJ
Até o dia 03/12, o cinema do Instituto Moreira Salles exibirá a mostra alemã de documentários “Doku.Arts”. Entre os diretores escolhidos estão Hitchcock, Haneke e Chris Marker.
Publicidade
Nova biografia de Prestes nas livrarias
A obra do professor titular da Universidade Federal Fluminense (UFF) oferece um relato biográfico equilibrado e completo sobre “o cavaleiro da esperança”. Lançado pela Companhia das Letras, o livro custa R$ 52,90.
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade