Mais Lidas

Gamboavista mostra destaques teatrais de 2014

A quarta edição do projeto tem extensa programação até o mês de maio, com espetáculos adultos, infantis e shows

Por monica.lima

O ator Marco Nanini em trecho da peça “Beije Minha Lápide”. Em cartaz dias 09 e 10/01%2C às 21hDivulgação

No palco, Marco Nanini é Bala, um escritor de 60 anos, ainda com prestígio, mas afastado do meio artístico. Grande admirador de Oscar Wilde, Bala considera uma afronta à memória do escritor a construção da barreira de vidro que impede qualquer um de se aproximar de seu túmulo no célebre cemitério de Père Lachaise, em Paris. Então, ele resolve quebrar o bloqueio. Em “Beije Minha Lápide”, Nanini realiza um antigo desejo de trabalhar com a obra do dramaturgo inglês. “O texto tem muitas analogias com a vida e a obra de Wilde, com algumas citações mais explícitas e outras que se refletem nas falas e nas histórias das personagens. Quem não conhece Wilde vai entender e esperamos que saia querendo conhecê-lo mais”, explica Nanini. Com texto de Jô Bilac e direção de Bel Garcia, a peça, que concorre aos prêmios Shell e Cesgranrio, abre a 4ª edição Gamboavista, com apresentações hoje e amanhã, às 20h, no Galpão Gamboa, no Rio. O projeto, com direção artística de Marco Nanini e Fernando Libonat, tem extensa programação até o mês de maio, com espetáculos adultos, infantis e shows.

O Gamboavista, que já teve quatro edições no Galpão Gamboa e serviu de inspiração para a bem sucedida ocupação Dulcinavista, no Teatro Dulcina, no Centro do Rio, já é parte integrante do calendário cultural da cidade. Todos os anos, o evento reúne no mesmo palco as peças cariocas que mais se destacaram no ano anterior. Nesta edição, uma novidade: além de espetáculos do Rio, o festival também recebe peças de outros estados brasileiros.

“Juntamos algumas peças destaque que merecem ser revistas. Desde a primeira edição, a ideia é que a gente consiga trazer o que vimos de mais interessante. Esse ano a programação é ainda mais especial porque, pela primeira vez, conseguimos abrir o leque. Temos peças de Minas Gerais, de Brasília e do Ceará”, explica o curador do projeto, o ator e diretor Cesar Augusto.

Também na abertura da programação, amanhã, a partir das 22h30, após a apresentação de “Beije Minha Lápide”, o Garagem Gamboa recebe o show “Desfrute ou Frite” de Tru & Tro, projeto musical da cantora Letícia Novaes e do músico e cineasta Arthur Braganti. Essa será a última apresentação pública do show, que une música, teatro, prosa, poesia e manifesto.

Entre as atrações do festival, que vão até maio, ainda estará a peça “Ricardo III”, uma adaptação de Gustavo Gasparani e Sérgio Módena para a obra de Shakespeare que discute a eterna batalha pelo poder, intrigas, e a hipocrisia da política, com apresentações dias 31 de janeiro e 01 de fevereiro. Os espetáculos “Festa de Família” e “O Funeral”, com direção de Bruce Gomlevsky e Companhia Teatro Esplendor, também fazem parte da programação. A duas montagens, baseadas em filmes de Thomas Vinterberg, um dos expoentes do movimento Dogma 95, tem apresentações dias 24 e 25 de janeiro.

A peça “Silêncio!”, de Renata Mizrahi, pelo qual Suzana Faini foi indicada a vários prêmios de melhor atriz em 2014, ainda integra o festival Gamboavista nos dias 28 e 29 de março. Em sua maior edição desde o lançamento, o projeto também apresentará, pela primeira vez, montagens inéditas na cidade, como “BR Trans”, do autor e ator cearense Silvero Pereira, dias 21 e 22 de março, e “Hamlet ou Morte”, espetáculo originado da esquete vencedora da última edição do FESTU (Festival de Teatro Universitário), nos dias 07 e 08 de março. 

Mariana Pitasse (mariana.pitasse@brasileconomico.com.br)

ONDE ASSISTIR

? “Gamboavista” acontece nos finais de semana de 09 de janeiro até 10 de maio. O Galpão Gamboa fica na Rua da Gamboa, 279, no Centro do Rio.

Projeto expõe impacto de modificações no Rio

A partir da ideia da destruição como condição de reconfiguração espacial, o curador João Paulo Quintella criou “Permanências e Destruições”. O projeto tem como objetivo levar instalações de 10 artistas brasileiros e um coletivo para lugares em processo de desaparecimento, áreas sem uso, vazios urbanos na cidade do Rio de Janeiro. Alguns dos locais escolhidos foram o prédio do antigo Hotel Balneário Sete de Setembro/Colégio Brasileiro de Altos Estudos, na Praia do Flamengo; uma piscina desativada, em Santa Teresa; e a área da antiga Perimetral, no Centro do Rio.

Hoje, o projeto tem abertura oficial no Oi Futuro em Ipanema, a partir das 15h, contando com a participação do grupo carioca de artistas que realizará as intervenções na cidade, e o curador, para um debate sobre o projeto e as problemáticas urbanas do Rio de Janeiro.

A primeira ocupação do projeto acontece hoje, amanhã e domingo na Praça XV, no centro do Rio. Nos três dias, visitantes poderão acessar o projeto “Cota 10”, um mirante construído pela dupla de artistas Julio Parente e Pedro Varella para ter uma perspectiva única da cidade, com vista para o centro histórico do Rio e a Baía de Guanabara, antes só possível ao passar pela Perimetral. Simultaneamente, também na Praça XV, o duo de artistas Priscilla Fiszman e Kammal João realizará uma ação com tijolos, aberta à participação do público e que tem como objetivo tencionar a relação entre construir e destruir.

ONDE ASSISTIR

Novas intervenções todos os finais de semana de 09/01 a 01/02, na Praça XV, Hotel Balneário, Colégio Brasileiro de Altos Estudos, Rua do Verde, Estamparia Metalúrgica Victoria e Piscina do Edifício Raposo Tavares, na cidade do Rio.

Mostra encerra exibição em memória de Suassuna

Após rodar o país, o projeto “Ariano Suassuna — Arte como Missão”, encerra ciclo de exibições na Caixa Cultural São Paulo. Contando com a presença do próprio escritor em quase todas as cidades por onde passou, a proposta permanece em tom de homenagem e despedida.

No próximo sábado, dia 17, acontece a abertura da exposição de fotos “O Decifrador”, de Alexandre Nóbrega, que acompanhou a intimidade do escritor nos seus últimos anos de vida.

No mesmo dia, o projeto se estende ao Teatro Municipal para apresentar o show de Antonio Nóbrega, mestre das sonoridades das artes populares e um dos integrantes do Quinteto Armorial, pensado especialmente para homenagear Suassuna, às 20h. Já a partir de sexta-feira, dia 30, a Caixa São Paulo ainda exibe ciclo de filmes com grandes clássicos do escritor adaptados ao cinema e à televisão, como “Auto da Compadecida”, “Uma Mulher Vestida de Sol” e “A Pedra do Reino”. <MC1>A Caixa Cultural fica na Praça da Sé, 111, em São Paulo.

NOTAS

Cinema reciclado em pauta na Doku.Arts

Até o dia 14, a mostra alemã de documentários Doku.Arts está em cartaz no Instituto Moreira Salles do Rio. Nesta edição, a reflexão é sobre a apropriação de imagens de filmes antigos em novos. Entre os títulos estão longas sobre Hitchcock e Haneke.

História de Frida e Diego Rivera em cartaz no Rio

Estreia hoje a peça “Frida Y Diego” no Maison de France, no Rio. Após 10 anos sem textos no teatro, Maria Adelaide Amaral apresenta o espetáculo, que fala da relação entre Frida Kahlo e Diego Rivera, uma história de paixão e cumplicidade.

Diálogos com Leandro Erlich na Casa Daros

Neste domingo, às 17h, o artista argentino Leandro Erlich conversa com o público sobre sua trajetória artística. Suas influências e obras exibidas na exposição “Ilusões” são os temas de mais um encontro do programa “Diálogos” da Casa Daros, no Rio.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia