Por douglas.nunes

Em um salão — o de Paris — onde está faltando molho para tanta barba fica muito claro que as opções estratégicas definem os bons ou maus resultados das marcas. As premium crescem porque o pessoal que perdeu com os derivativos dos EUA em 2008 nunca ficou, de fato, pobre. As marcas pop buscam mercado com ofertas de mais espaço por menor preço, como a Renault com a Dacia, que vende bem também por aqui.

A Fiat deu uma tacada de mestre ao comprar a Chrysler e, com ela, a cereja do bolo, a marca Jeep. O Renegade, que será feito em Goiana, Pernambuco, ano que vem, atrai atenções e mostra a força do guerreiro, com definições claras para um mercado aquecido mundialmente: o dos SUVs.

E, de fato, o Renegade é muito interessante. Na frente, as sete barras tradicionais e os faróis redondos que marcaram os primeiros Jeep. Na lanterna traseira, a impressão em cruz do galão auxiliar de gasolina dos modelos militares originais. Por dentro, conforto e bom acabamento, com som de primeira e molduras de cor diferente nos alto-falantes. Tudo no design remete à robustez e à imagem que faz o Jeep ser uma das marcas mais reconhecidas do mundo.

Sob o capô, as opções de motores 1.8 16V flex com tração dianteira nas versões Latitude e Limited e 2.0 turbodiesel, está a topo Trailhawk, com câmbio automático de nove marchas e tração 4X4 automática ou optativa.

E a chegada do Renegade, que foi lançado há pouco tempo na Europa, já muda a própria Fiat, que quer também um quinhão deste desejo universal nos fora-de-estrada. O 500X fez estreia aqui em Paris com uma carroceria linda, que lembra um 500 vitaminado. Feito sobre a mesma plataforma do Renegade, com motores e transmissões iguais, o 500X é peça chave na estratégia da recuperação da Fiat. Embora o diretor de Comunicação Marco Lage negue categoricamente a montagem do 500X no Brasil, fica a pergunta: e o ciclo de vida da Palio e da Idea Adventure vai até quando?

E, no Salão de Paris, que terá esta edição mais magra, são dois dias a menos de exibição, destaque também para o novo Renault Espace, o revolucionário Citroën C4 Cactus, a desejada Mercedes AMG GT, que divide olhares com as Ferrari, Lamborghini e Porsche, entre os maiores objetos de desejo sobre rodas no planeta.

A nova face do pequeno samurai

Uma das estrelas da Suzuki no Salão de Paris é o novo Vitara. A nova geração do pequeno SUV será mostrada no Brasil durante o Salão do Automóvel de São Paulo, no fim deste mês, e as vendas estão programadas para o primeiro semestre de 2015. O pequeno samurai passa a adotar novos recursos de conforto e segurança.

Italiana adere à moda híbrida

A Lamborghini, quem diria, aderiu à onda verde e apresenta em Paris o esportivo híbrido Asterion. Com visual que foge aos padrões estéticos da marca do touro, o Asterion tem um motor a combustão V10 5.2 litros e outro elétrico — juntos, os dois podem fornecer nada menos do que 922 cv de potência máxima.

Um súdito da rainha mais acessível

A Jaguar apresenta no Salão de Paris o XE. O sedã é o modelo mais em conta da marca inglesa — € 35 mil ou cerca de R$ 110 mil — e dará as caras no Salão do Automóvel de São Paulo, agora no fim de outubro. As vendas do XE no Brasil devem acontecer em meados de 2015, mas ainda não está definida a versão que virá para cá.

Você pode gostar