Secretário de Projetos Especiais e Captação de Recursos, Joselito Magalhães e o engenheiro Felipe Vanhof - Divulgação
Secretário de Projetos Especiais e Captação de Recursos, Joselito Magalhães e o engenheiro Felipe VanhofDivulgação
Por O Dia
Volta Redonda - O município de Volta Redonda a partir de agora tem uma coordenadoria responsável pela recuperação asfáltica da cidade. Esta coordenação fica subordinada à Secretaria Municipal de Projetos Especiais e Captação de Recursos.

Segundo a prefeitura, o objetivo é organizar todos os esforços necessários para recuperar as vias públicas porque os problemas com pavimentação estão gerando um grande número de reclamações da população de Volta Redonda.

Além disso, o governo municipal contratou uma empresa especializada, que já começou a realizar o recapeamento de algumas vias, como por exemplo, no bairro Retiro. Esta empresa também irá fazer o serviço em outros pontos da cidade, porém quando o tempo ficar mais estável.

Estas informações foram repassadas durante entrevista coletiva concedida pelo secretário municipal de Projetos Especiais e Captação de Recursos, Joselito Magalhães e o engenheiro Felipe Vanhof. A entrevista aconteceu na tarde desta quarta-feira, dia 04, no auditório da Prefeitura.

Os entrevistados afirmaram que todo o cronograma é feito de acordo com a previsão do tempo. Mas que mesmo assim, a previsão pode mudar o que torna inviável o trabalho.

“A expectativa de acordo com os serviços de meteorologia é que na próxima semana, o tempo comece a melhorar, oferecendo condições para que os trabalhos sejam realizados. A ideia é que, em cerca de 90 dias, as vias da cidade estejam com seu pavimento recuperado”, comentou o secretário.

Também foi esclarecido durante a coletiva que a chuva depois do asfaltamento nem é o problema principal, porque usando a massa quente, pouco tempo depois da compactação a superfície já está curada. Mas a grande questão é aplicar o asfalto em cima de uma base úmida porque tende a se danificar, mesmo que o tempo fique firme.

Os investimentos, que serão feitos com recursos próprios do município, e são da ordem de R$ 15 milhões.

Joselito Magalhães ainda reforçou que não é um mutirão para tapar buracos que está acontecendo em Volta Redonda, o que seria considerado um desperdício de recursos, mas sim recuperar trechos que estão muito danificados, favorecendo o aparecimento de buracos.