Volta Redonda estrutura plano para atender pessoas com Covid-19

Estratégia do prefeito Samuca é centralizar pronto atendimento e distribuir alta complexidade

Por O Dia

Hospital de Campanha para atender exclusivamente as pessoas infectadas com o novo coronavírus
Hospital de Campanha para atender exclusivamente as pessoas infectadas com o novo coronavírus -
Volta Redonda - A montagem do Hospital de Campanha para atender exclusivamente as pessoas infectadas com o novo coronavírus faz parte das ações de centralização dos pacientes com a doença em Volta Redonda. A estratégia do prefeito Samuca Silva é de concentrar o ponto de atendimento desses pacientes de média complexidade, que não necessitam de internação intensiva, num mesmo local, evitando desta maneira a contaminação de outras unidades de saúde da cidade.

O prefeito Samuca Silva explicou que, através dessa estratégia, será possível evitar as infecções cruzadas com outros pacientes.

“Nosso objetivo é evitar que as nossas unidades sejam contaminadas e que a Covid-19 se espalhe para muitas pessoas. Mantendo esses pacientes em locais separados e específicos para o tratamento do Coronavírus, vamos evitar esse contato com os outros pacientes que necessitam de atendimento médico na nossa rede de saúde. Além disso, podemos disponibilizar um excelente atendimento a essas pessoas, pois a equipe é treinada de forma homogênea para lidar com essa doença”, comentou o prefeito.

Com 114 leitos e duas salas vermelhas, que podem ser ampliadas de acordo com a necessidade, o Hospital de Campanha fica no campo do Estádio Raulino de Oliveira, no bairro Aterrado, e atenderá pacientes que serão encaminhados pelos Centros de Triagens (CTs), criados nos quatro distritos sanitários da cidade, nos bairros 249, Vila Mury, Volta Grande e São João.

A escolha do estádio como local para abrigar o hospital de campanha foi pela estrutura apresentada, com a proximidade de sala de exames de imagem da Policlínica. O hospital terá equipe composta por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, farmacêutico, nutricionista, fisioterapeuta, psicólogo, assistente social, pessoal de apoio como brigada de incêndio, limpeza e segurança. Toda equipe passou por treinamento específico sobre a doença.

Para atender os pacientes de alta complexidade, a Prefeitura de Volta Redonda equipou dois hospitais de retaguarda: o Centro Municipal de Saúde de Volta Redonda, antigo Hospital Santa Margarida, onde já estão preparados, em uma ala de internação de retaguarda de média complexidade, 44 leitos de CTI. E, também, no Hospital do Idoso, que está com uma ala inteira destinada à internação de Covid-19 com 10 leitos normais e 18 de CTI. Volta Redonda conta ainda com leitos no Hospital Regional Zilda Arns, administrado pelo Governo do Estado.
Hospital de Campanha fica no campo do Estádio Raulino e tem 114 leitos e duas salas vermelhas - Divulgação
O Secretário Municipal de Saúde, Alfredo Peixoto, enfatizou a importância da estratégia criada pelo prefeito Samuca Silva.

“Volta Redonda, hoje, proporcionalmente, é o segundo maior município do Estado do Rio em número de casos, o que é preocupante para nós. Por isso, a nossa estrutura de saúde está voltada à prevenção. Não esperamos ter um grande aumento nos números para montar um hospital de campanha. Estamos acompanhando o crescimento de casos na cidade com o número de exames que temos e que vem aumentando. Mapeamos e temos dados para estruturar as ações”, disse o secretário.

Uma das primeiras medidas criadas pela Prefeitura de Volta Redonda foi a definição dos Centros de Triagens (CTs) nos quatro distritos sanitários da cidade, nos bairros 249, Vila Mury, Volta Grande e São João. As unidades funcionam em horário especial, das 7h às 22. O encaminhamento é feito pelas unidades básicas de Saúde.

Outra medida adotada pela prefeitura para evitar aglomeração de pessoas e a transmissão do vírus foi à descentralização dos exames, que passou a ser feito nas Unidades Básicas de Saúde. Todas as unidades básicas coletam material para exames e medem a saturação de oxigênio do sangue. Se o paciente estiver com baixa saturação, é encaminhado para o Hospital São João Batista, Hospital do Retiro, Cais Aterrado, Cais Conforto ou UPA. Quando o Hospital de Campanha estiver em funcionamento, os pacientes com necessidade de internação serão encaminhados diretamente para lá.

Volta Redonda ganhou ainda um Centro Especializado em Doenças Respiratórias, que fica no bairro Retiro, no antigo Centro Médico do Hinja. A unidade funciona em parceria entre Prefeitura de Volta Redonda, Governo do Estado, Hospital Hinja e Unimed Volta Redonda. O local funciona de 7h às 19h, de segunda a sexta-feira.

Galeria de Fotos

Hospital de Campanha para atender exclusivamente as pessoas infectadas com o novo coronavírus Divulgação
Hospital de Campanha fica no campo do Estádio Raulino e tem 114 leitos e duas salas vermelhas Divulgação

Comentários