Prefeitura de Volta Redonda vai recorrer de decisão judicial que devolve linhas para Sul Fluminense - Divulgação
Prefeitura de Volta Redonda vai recorrer de decisão judicial que devolve linhas para Sul FluminenseDivulgação
Por O Dia
Volta Redonda - Uma decisão judicial determinou o retorno da operação de três linhas municipais de transporte coletivo para a viação Sul Fluminense, no município de Volta Redonda. A operação era realizada desde o último sábado, dia 23, pela empresa Cidade do Aço. A troca estabelecida pera Prefeitura foi feita devido ao serviço prestado pela antiga viação ser insatisfatório, com atrasos constantes, superlotação e veículos em más condições.

A decisão foi da 5ª Vara Cível, através do juiz Alexandre Custódio Pontual. As linhas assumidas pela viação Cidade do Aço eram: 320–A (Dom Bosco – Conforto); 525 (Açude-Jardim Amália); e 530 (Açude- Jardim Amália – Via Vila Mury e Park Sul). A troca da empresa era válida até a realização definitiva da licitação das linhas da Sul Fluminense.

A Prefeitura de Volta Redonda já informou que irá recorrer da decisão. O prefeito Samuca Silva disse que a equipe estava monitorando o serviço assumido pela nova empresa e que o retorno da população estava sendo positivo.

“Recebemos diversos relatos de melhorias no transporte. Nosso objetivo é sempre esse, permitir um transporte coletivo de qualidade para a população. Vamos recorrer da decisão liminar e mostrar judicialmente a necessidade dessa troca, tendo em vista os problemas enfrentados pelos moradores com transporte ruim”, falou o prefeito.
Mudança de empresa foi realizada nas linhas dos bairros Açude, Dom Bosco e São Sebastião - Divulgação
Em janeiro deste ano, a prefeitura já havia autorizado a intervenção em nove linhas, que estão sendo operadas por três empresas consorciadas do SindPass. Os bairros beneficiados foram: Coqueiros, Siderlândia, Vila Brasília, Santa Cruz e Santa Rita do Zarur.

Segundo Samuca, o objetivo é realizar a licitação das linhas da Sul Fluminense. Em maio do ano passado, o prefeito decretou a caducidade da concessão da empresa por prestar um serviço de má qualidade. Entretanto, o processo de licitação está suspenso pelo Tribunal de Contas do Estado, que está analisando o processo.

“Estamos aguardando a liberação do TCE para realizar essa licitação. Mas, com a pandemia, os prazos do tribunal foram estendidos. Esperamos que, em breve, possamos realizar essa licitação para melhorar o transporte e a mobilidade urbana da cidade. Mas enquanto isso não acontece, determinei que os estudos para elaboração do edital de licitação sejam acelerados. Assim, quando tivermos a liberação, não vamos perder tempo para iniciar o certame”, disse o prefeito Samuca Silva.

O secretário de Transporte e Mobilidade Urbana, Rogério Loureiro, destacou que a mudança nas linhas visava a melhoria na qualidade do serviço.

“Tomamos essa decisão por conta da qualidade do transporte estar muito ruim, com várias reclamações da população que aumentaram ainda nesse período de pandemia. A atual empresa não estava conseguindo atender a demanda e por isso a troca”, disse o secretário