Comércio abrirá mais cedo em Volta Redonda, a partir de 10 de junho - Reprodução/ Internet
Comércio abrirá mais cedo em Volta Redonda, a partir de 10 de junhoReprodução/ Internet
Por O Dia
Volta Redonda - Na tarde desta quarta-feira, dia 03, o Prefeito Samuca Silva, através de uma transmissão ao vivo nas redes sociais, falou sobre o resultado da proposta de maior flexibilização que havia sido apresentada ao Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ).

Segundo informou o prefeito, o Ministério Estadual aceitou a proposta original no que diz respeito ao monitoramento do número de casos suspeitos que não deve aumentar mais que 5% por três dias, atualmente esse índice é medido a cada dois dias.

Outra vitória, de acordo com Samuca Silva, foi sobre o novo horário para abertura do comércio. A partir do dia 10 de junho, as lojas poderão abrir a partir das 12h, sendo que não há definição para o término do expediente, conforme o acordo, isso ficará a cargo do empresário.

Quanto aos bares e restaurantes ficou acordado que poderão funcionar em qualquer horário, e não somente das 10 às 19 horas, como acontece agora, porem é necessário manter a limitação de 30% da capacidade. Também não poderão colocar mesas nas calçadas e terão que evitar as aglomerações.

Sobre a feira livre, as barracas de alimentos são consideradas agora como serviços essenciais e por isso não terão de suspender as atividades. Ainda a partir de 10 de junho, outros gêneros da feira livre poderão voltar, mas com espaçamento de três metros entre as barracas e também deverão ficar em outro lugar a parte dos gêneros alimentícios. 
O acordo agora segue para análise e possível homologação do juiz da 4ª Vara Cível de Volta Redonda.

O prefeito por último falou sobre a proposta de reabertura de igrejas, academias e clubes. De acordo com Samuca Silva, o MPRJ rejeitou a possibilidade de retorno das atividades desses segmentos, a partir do dia 10 de junho. Mas segundo o prefeito, a saída foi atrelar esta decisão de flexibilização ao Governo Estadual. Portanto, em Volta Redonda, a definição de retorno dessas atividades sociais ficará no aguardo de um decreto do governo estadual, o que pode acontecer até mesmo antes de 10 de junho, como falou o prefeito.
Publicidade
"Só estamos conseguindo avançar nessas flexibilizações por conta de medidas que tomamos para aumentar nossa capacidade de atendimento na rede de saúde, como aumento de leitos de UTI/CTI e a criação do Hospital de Campanha. Além disso, nossa cidade foi uma das primeiras a suspender aulas, fechar espaços públicos, evitar aglomerações e obrigar, por exemplo, o uso de máscaras. Isso está nos ajudando a controlar o avanço do vírus”, destacou o prefeito Samuca Silva.
O acordo prevê, também, que caso a cidade se mantenha dentro dos eixos de monitoramento, a volta a normalidade, com os horários normais, acontece a partir de 1º de agosto.

“Tivemos essa reunião com o MP e conseguimos algumas vitórias. Mas lembro que tudo baseado em métricas e acompanhamento do avanço do vírus. Outra vitória é aumentar o eixo de monitoramento de aumento de casos suspeitos de dois para três dias, o que nos dá uma possibilidade de avaliação maior do avanço da Covid-19”, destacou Samuca.