Dados culturais de Volta Redonda passam por atualização

Secretaria Municipal de Cultura abriu cadastro para mapeamento dos segmentos artísticos do município

Por O Dia

Volta Redonda atualiza dados culturais e planeja com sociedade implantação de Lei Aldir Blanc
Volta Redonda atualiza dados culturais e planeja com sociedade implantação de Lei Aldir Blanc -
Volta Redonda - Os dados culturais do município de Volta Redonda passam por uma atualização. A Secretaria Municipal de Cultura (SMC) de Volta Redonda, em parceria com o Conselho Municipal de Política Cultural (CMPCVR), realizam o mapeamento dos agentes culturais, espaços e coletivos da cidade.
Para a efetivarem o serviço foi disponibilizado um cadastro mais completo, elaborado juntamente com o conselho. O objetivo é orientar a implementação e gestão política cultural de Volta Redonda, considerando os critérios que a Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc determina.
No aguardo da sanção presidencial, a Lei Aldir Blanc possibilitará uma renda mensal, durante três meses, de R$ 600 para trabalhadores do setor cultural, além de prever um subsídio de até R$ 10 mil mensais para espaços artísticos e culturais que tiveram suas atividades interrompidas.
“Este projeto é de várias lideranças e, principalmente, da ampla contribuição, belíssima e inovadora, da sociedade brasileira. A construção da lei teve uma contribuição imensa dos estados, foram pelo menos 18 reuniões nacionais”, explicou a secretária municipal de Cultura, Aline Ribeiro.
A Secretária ainda lembrou que Volta Redonda promoveu, no último dia 9, a Webconferência de Cultura, que mobilizou agentes de cultura, artistas, produtores, pontos de cultura, redes, coletivos e movimentos culturais do município para tratar sobre a lei emergencial.
O cadastro para o mapeamento pode ser feito pela internet, através do link: bit.ly/culturavr, e também por telefone ou presencialmente, com agendamento pelo número 3339-4204.
“Faremos um trabalho de busca ativa, juntamente com os conselheiros. Nossa meta é que nenhum agente cultural, espaço ou coletivo de Volta Redonda fique fora do cadastro”, acrescentou Aline.
O presidente do CMPCVR, Carlos Eduardo Giglio, esclareceu que o conselho acompanha todo o processo de aprovação de lei, extremamente necessária para suprir as necessidades dos agentes, espaços e coletivos culturais.
“O cadastro é o início para que tenhamos transparência e controle de aplicação da lei. Começaremos agora a elaboração do plano de implementação para que quem mais precisa possa receber o recurso. Esse processo inicia um novo tempo para cultura onde teremos mais acesso aos artistas, inclusive temos a preocupação de chegar as periferias”, falou Carlos Eduardo.

O prefeito Samuca Silva afirmou que a administração municipal vai contribuir para que os recursos da Lei cheguem aos que mais necessitam, principalmente por conta das dificuldades geradas pela pandemia.

“A pandemia teve efeitos drásticos sobre as atividades artísticas e culturais. Em Volta Redonda, sempre incentivamos e investimos na cultura, e agora vamos trabalhar para que nossos profissionais do setor sejam beneficiados e mantenham a tradição cultural de nossa cidade e da região”, afirmou o prefeito.

Comentários