Comércio em Volta Redonda permanece fechado por mais sete dias para evitar a circulação do coronavírus - Divulgação
Comércio em Volta Redonda permanece fechado por mais sete dias para evitar a circulação do coronavírusDivulgação
Por O Dia
Volta Redonda - A Câmara de Dirigentes lojistas de Volta Redonda declarou no último domingo, dia 05, que aderiu a campanha do comércio em protesto ao fechamento das lojas por mais sete dias. Com o tema: “em luto por vidas, empregos e empresas perdidas”.

Segundo a CDL, a campanha consiste numa mobilização com faixas e cartazes que serão afixados nos estabelecimentos contra a decisão do Governo Municipal em manter um acordo fraco de flexibilização para abertura do comércio.

“As pequenas e microempresas, que representam 80% da economia do município, têm sido as mais sacrificadas durante esse período, com esse abre e fecha. Mais de 3.500 trabalhadores já precisaram ser demitidos e a estimativa é de que mais de 200 estabelecimentos já tenham fechado definitivamente na cidade”, diz a nota da instituição.

Ainda segundo a CDL, durante a semana que o comércio ficou fechado, sem que nenhum eixo acordado com o Ministério Público tenha sido ultrapassado, os números subiram mais do que no período do comércio aberto.

“A CDL lembra ainda que o governo municipal fechou o comércio na semana de pagamento causando prejuízos incalculáveis para os lojistas, mesmo sem saber se haveria lotação ou não da rede de saúde. Por isso, neste momento em que a economia de Volta Redonda caminha para uma das fases mais delicadas dessa pandemia, a CDL não poderia deixar de apoiar as empresas tão afetadas por medidas que não foram discutidas com as entidades representativas da cidade para que se chegassem a propostas que causassem menos impactos tanto na saúde quanto na economia do município”, disse a CDL.
CDL Volta Redonda adere campanha do comércio - Divulgação
Publicidade
De acordo ainda com a nota da CDL, a entidade diz que nunca se omitiu em manter o diálogo com o Poder Público e que quando foi chamada para contribuir se mostrou presente, como na montagem do Hospital de Campanha, doando mais de R$ 40 mil e ajudando a arrecadar mais R$ 16 mil, para a compra de material. 

O prefeito Samuca Silva ressaltou que a medida de prevenção visa diminuir a circulação do vírus na cidade e garantir capacidade de atendimento a população.

“A semana que passou, onde fechamos as atividades, foi fundamental para manter o controle do vírus. Não perdemos o controle do vírus, mas precisamos garantir atendimento ao nosso povo. Infelizmente tivemos um aumento de casos graves e de ocupação nos leitos de UTI e CTI. Precisamos garantir a capacidade de atendimento à população e, por isso, fecharemos por mais uma semana, conforme acordo com o MP homologado pela Justiça”, disse Samuca.