Volta Redonda já é referência no combate ao coronavírus

Desde março, prefeitura implantou diversas ações para tentar conter o avanço da covid-19 na cidade

Por O Dia

Hospital de Campanha de Volta Redonda
Hospital de Campanha de Volta Redonda -
A pandemia do novo coronavírus vem testando as administrações públicas. Cidades que não se prepararam estão registrando o aumento do número de casos e enfrentando cenários de tristeza. Em Volta Redonda, medidas de restrição e prevenção impostas desde março, quando os primeiros casos foram notificados, mudaram a perspectiva da doença no município. Para se ter uma ideia, segundo estudo apresentado pelo setor de epidemiologia da cidade, a previsão era atingir a marca de 700 óbitos.
“As características da cidade nos mostraram isso no estudo. Volta Redonda recebe pessoas de toda a região e de outros estados, como São Paulo, e pela grande circulação de pessoas, também no comércio, entendemos a necessidade de medidas efetivas para combater o vírus. Foram elas que permitiram que o município deixasse de ser o epicentro da doença no estado”, disse o prefeito Samuca Silva. A cidade também assinou um convênio com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) para tratamento de casos leves da covid-19.

O tratamento, que utiliza a Nitazoxanida, visa tratar precocemente os pacientes, impedindo que a doença tenha uma evolução com consequências mais graves. De acordo com o infectologista da UFRJ, Edimilson Migowski, o medicamento é seguro e eficaz também no tratamento de outras doenças, como dengue, zika e chikungunya. “Ao fazer o tratamento precoce a gente consegue evitar que a doença evolua e, assim, impedimos também a ocupação dos leitos”, frisou. O infectologista explicou ainda alguns mecanismos de ação do medicamento, como reduzir a produção de interleucina 6, que provoca a ‘tempestade’ inflamatória, e reduzir o metabolismo mitocondrial e, consequentemente, a capacidade de as células replicarem os componentes dos vírus, entre outros.

MÁSCARAS E ABORDAGENS

A cidade foi uma das primeiras a tornar o uso de máscara obrigatório em espaços públicos e fez a distribuição de 75 mil unidades em locais de maior circulação de pessoas, após receber a doação da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Desde o início das medidas de restrição, em março, a força tarefa de fiscalização da prefeitura tem atuado com rigidez para garantir o cumprimento dos decretos de enfrentamento ao novo coronavírus. Com isso, mais de 2.600 denúncias foram recebidas pela Central de Atendimento Único (CAU) e apuradas pela equipe. Em pouco mais de três meses de operação, o cinturão de segurança criado para reduzir a circulação do novo coronavírus no município já promoveu mais de 740 mil abordagens a veículos que entram em Volta Redonda. Desses, cerca de 18 mil precisaram retornar. Isso ocorre paralelamente a uma série de medidas de proteção para ampliar o combate a covid-19.

Comentários